Publicidade

Estado de Minas MERCADO S/A

Interior de São Paulo é favorito para receber fábrica da Huawei

O início da construção da fábrica, porém, está condicionado a um bom desempenho da marca em vendas de smartphones e tablets%u201D


postado em 12/08/2019 06:00 / atualizado em 12/08/2019 09:19

(foto: FredDufour/AFP)
(foto: FredDufour/AFP)

Depois de anunciar investimento de R$ 3 bilhões no Brasil entre 2020 e 2022, a gigante chinesa de eletrônicos Huawei está de olho em oportunidades no mercado brasileiro.

A empresa possui unidades em Sorocaba, no interior paulista, e na Zona Franca de Manaus, mas considera abrir um terceiro endereço no país. Por enquanto, as cidades com maior potencial são Vinhedo e Louveira, ambas em São Paulo, locais onde estão sendo estruturados polos de empresas de tecnologia e que contam com mão de obra qualificada.

O início da construção da fábrica, porém, está condicionado a um bom desempenho da marca em vendas de smartphones e tablets – o que não deve ser problema diante da provável retomada do consumo.

Procurada, a empresa informou que “está animada com as oportunidades no cenário brasileiro e, conforme o desenvolvimento da operação de smartphones no mercado local, considera instalar uma fábrica em São Paulo no futuro.”

Por que as mulheres não estão na Bolsa de Valores?
Nos últimos anos, as mulheres quebraram inúmeras barreiras no mercado de trabalho, ocupando cada vez mais cargos de chefia e se lançando no empreendedorismo. No mundo dos investimentos, porém, elas têm longo caminho a percorrer. O público feminino responde por apenas 20% do total de investidores na B3, a Bolsa de Valores de São Paulo. No Tesouro Direto, elas são 35%. Não está na hora de os protagonistas do setor – B3, corretores, gestores – trabalharem para atrair mais investidoras?

Sabesp quer entrar na área de energia
Maior empresa de saneamento da América Latina, a Sabesp deixará de ser apenas uma empresa de água e esgoto para se tornar, a partir de 2020, geradora de energia elétrica. Segundo o presidente da estatal paulista, Benedito Braga, a ideia é reaproveitar os resíduos sólidos e dejetos dos rios da Região Metropolitana de São Paulo para alimentar o sistema nacional com eletricidade. “É uma excelente forma de reduzir o impacto ambiental e afastar riscos energéticos”, afirma Braga.

Ônibus elétrico chinês chega ao Brasil
Executivos da Higer, quarta maior fabricante de veículos elétricos da China, desembarcam no Brasil nesta semana para apresentar a interessados seus ônibus 100% elétricos. Uma das ideias da empresa é iniciar a produção em solo brasileiro. São duas possibilidades: executar a montagem com um parceiro em Guarulhos (SP) ou adquirir parte da fábrica de Ford em São Bernardo do Campo (SP), que será desativada a partir do ano que vem. A Higer é concorrente da compatriota BYD.

RAPIDINHAS

A Uber pode até ter reinventado a mobilidade das cidades, mas ganhar dinheiro parece estar fora do alcance da empresa. No segundo trimestre, seus prejuízos totalizaram US$ 5,2 bilhões – é o pior resultado da história. O presidente Dara Khosrowshabi disse que 2019 ficará marcado como o ano de arrumação da casa. Em 2020, garante ele, o jogo começa a virar.

O problema é que o mercado perdeu a confiança na empresa. Já se discute entre analistas a possibilidade de a Uber jamais ser lucrativa, o que fará dela um caso único no mundo: uma marca global, reconhecida e admirada por 99 milhões de usuários mensais, mas incapaz de fazer dinheiro.

O BDMG e o Fonplata (Fundo Financeiro para o Desenvolvimento da Bacia do Prata), organismo multilateral sediado na Bolívia, assinaram acordo para a estruturação de uma linha de crédito para os municípios de Minas Gerais. Segundo o BDMG, a ideia é intensificar o contato com organismos internacionais e, assim, estimular investimentos no estado.

O sucesso da companhia aérea árabe Emirates no Brasil está encorajando a empresa a ampliar seus negócios no país. Com taxa de ocupação dos voos de 92%, percentual considerado excelente no setor, a empresa poderá abrir rotas diretas para Dubai a partir de capitais fora do eixo Rio-São Paulo.



Publicidade