SIGA O EM

Fotógrafo aplica golpe em noivas no dia do casamento

A denúncia é de 20 noivas de BH e Região Metropolitana. O fotógrafo André Martins pegou o dinheiro adiantado e sumiu no dia do casamento

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
[{'id_foto': 1117856, 'arquivo_grande': '', 'credito': 'Reprodu\xe7\xe3o/Facebook', 'link': '', 'legenda': 'Uma das noivas relata o preju\xedzo que sofreu do fot\xf3grafo Andr\xe9 Martins', 'arquivo': 'ns62/app/noticia_127983242361/2017/04/20/863707/20170420125948692649a.jpg', 'alinhamento': 'right', 'descricao': ''}]

postado em 20/04/2017 12:40 / atualizado em 20/04/2017 13:10

Iracema Amaral

Reprodução/Facebook
Vinte noivas de Belo Horizonte e Região Metropolitana correm atrás de um prejuízo em parte irreparável. A maioria delas não pôde registrar em fotos e vídeo a cerimônia de casamento porque o fotógrafo simplesmente sumiu. Apesar da frustração, elas não abrem não do ressarcimento. Todas, sem exceção, ou adiantaram parte do serviço contratado ou pagaram à vista.

A também fotógrafa Carolina Cristina Pereira de Oliveira, 24 anos, é um dos exemplo que foi passada pra trás. Ela conta que dos R$ 1.100 cobrados pelo colega André Martins, ela adiantou R$ 600.

"Parei de pagar as demais parcelas combinadas, quando percebi que ele não respondia às minhas ligações nem os contatos que tentei fazer com ele pelo Facebook", relata Carolina, que chegou a acompanhar André em alguns trabalhos feitos por ele. "Fui para aprender", justifica, acrescentando que, pelo resultado que viu, ela o tinha como "alguém de confiança".

Carolina também contouà reportagem do em.com.br que ficou sabendo que não era a única que tinha levado o calote _ ela se casou em dezembro do ano passado, mas teve tempo de contratar um fotógrafo substituto-, ao revelar a sua decepção em sua timeline do Facebook.

Dsde então, começou a ser adicionada por outras noivas lesadas. "Teve noiva que levou calote de R$ 3.200, porque pagou à vista", lamenta Carolina.

A partir do facebook, as noivas reunidas resolveram criar um grupo no WhatsApp para facilitar a comunicação entre elas. Desse contato, nasceu a decisão de acionar, este mês, o fotógrafo judicialmente.

"Mas tá difícil, no endereço que ele deu no contrato assinado para a prestação do serviço (uma casa em Contagem) informam que ele não mora lá. Então, fica difícil de ele ser notificado", reclama.

André também não atende às ligações. O perfil dele no Facebook foi apagado. Carolina diz que ao menos resta uma esperança: de que o esforço que ela e outras noivas estão fazendo para denunciá-lo poderá servir para evitar prejuízos futuros a outras noivas.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
 
Nilson
Nilson - 20 de Abril às 19:00
Primeiro foram os Buffets, que aplicaram o golpe em noivos e formandos, agora os fotógrafos. Os julgamentos desses casos deveriam ser mais rápidos, havendo punição haverá inibição. Alguém tem que fazer algo para impedir esse tipo de golpe.