Publicidade

Estado de Minas CRESCE A FAMÍLIA

Honda apresenta na Tailândia o City Hatchback, que deve aposentar o Fit

Além do motor 1.0 turbo, novo modelo de entrada da marca japonesa promete bom acabamento e amplo espaço interno. Visual do hatch é até mais interessante que o do sedã. Confira os detalhes


28/11/2020 04:00

O hatch ficou com desenho até mais interessante do que o sedã, com linhas harmoniosas, embora ambos tenham a mesma dianteira(foto: Honda/Divulgação)
O hatch ficou com desenho até mais interessante do que o sedã, com linhas harmoniosas, embora ambos tenham a mesma dianteira (foto: Honda/Divulgação)


A Honda apresentou na Tailândia o City Hatchback, carroceria inédita derivada do sedã compacto premium. Mas a notícia boa mesmo é que o modelo está cotado para ser fabricado no Brasil a partir de 2021, na planta de Itirapina (SP). Já com as linhas da nova geração, o hatch tem o design até mais interessante que o do sedã, de quem copia a dianteira um pouco insossa. Mas, dali para trás, o visual vai melhorando, com laterais vincadas e linha de cintura alta.
 
A traseira é o melhor ângulo do City Hatchback, com spoiler no teto, lanternas horizontais em LED e a tampa do porta-malas volumosa. A versão divulgada nas fotos é a esportivada RS, com faróis em LED, para-choques mais agressivos, grade colmeia, antena tipo barbatana de tubarão, rodas escurecidas de 16 polegadas e diversos elementos em preto brilhante. Suas dimensões são 4,34 metros de comprimento, 1,74m de largura e 1,48m de altura.
 
A traseira é o melhor ângulo do City hatch, que tem defletor de ar(foto: Honda/Divulgação)
A traseira é o melhor ângulo do City hatch, que tem defletor de ar (foto: Honda/Divulgação)
 
 
Com distância entre-eixos de 2,58m, o modelo promete bom espaço interno. Além disso, o City virá equipado com o sistema Ultra Seat do Fit e do HR-V, que prevê várias configurações para os bancos dianteiros e traseiros, deixando o manuseio mais versátil. No mais, o interior é como o do sedã. A tela do sistema multimídia é de oito polegadas. A versão de topo RS traz acabamento em couro com costura aparente no painel, paddle shifters, pedaleiras esportivas e ar-condicionado digital.
 
Assim como na Tailândia, o Honda City nacional terá sob o capô o novo motor 1.0 turbo de três cilindros, que trabalha em conjunto com um câmbio automático tipo CVT que simula sete marchas. Se lá este propulsor gera 122cv de potência e 17,6kgfm de torque, por aqui, com a tecnologia flex, estes números tendem a melhorar. Com a especulação de que a quarta geração do monovolume Fit não chegará ao Brasil, o City Hatchback passaria a ser o modelo de entrada da marca no país. Isso torna real a possibilidade do atual motor 1.5 ser usado nas versões de entrada do hatch.
 
Com distância entre-eixos de 2,58m, o modelo promete bom espaço(foto: Honda/Divulgação)
Com distância entre-eixos de 2,58m, o modelo promete bom espaço (foto: Honda/Divulgação)
 
 
Para quem aguarda pelo City sedã, o modelo também chega ao nosso mercado em 2021, provavelmente com lançamento separado do hatch, para que a chegada dos modelos não seja ofuscada. O Honda City Hatchback deve acompanhar os preços praticados pelo Toyota Yaris Hatch, com versões que atualmente poderiam variar entre os R$ 70 mil e R$ 90 mil. Mas, é preciso lembrar que as marcas têm remarcado o preço de seus modelos praticamente todo o mês.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade