Publicidade

Estado de Minas CHEVROLET TRAILBLAZER PREMIER 2.8 AT6

Testamos o Chevrolet Trailblazer 2.8 Premier, SUV parrudo que passa dos 300

Modelo 2021 do utilitário-esportivo grandalhão recebeu um tapa no visual e teve o motor turbodiesel recalibrado, mas assusta pelo preço: R$ 317.600


12/06/2021 04:00

O SUV ganhou uma frente nova, com frisos cromados e o nome Chevrolet em relevo, além de lanternas traseiras em LED e rodas de liga de 18 polegadas(foto: Fotos: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
O SUV ganhou uma frente nova, com frisos cromados e o nome Chevrolet em relevo, além de lanternas traseiras em LED e rodas de liga de 18 polegadas (foto: Fotos: Jorge Lopes/EM/D.A Press)
 

De olho no crescimento do segmento dos SUVs no mercado brasileiro, a General Motors quer aumentar sua participação. Além do Tracker e do Equinox, a montadora comercializa por aqui o Chevrolet Trailblazer, utilitário-esportivo de sete lugares que, desde setembro do ano passado, é disponibilizado apenas na versão topo de linha Premier 2.8TD AT6, modelo 2021. Testamos o SUV grandalhão, que recebeu um tapa no visual, ficando ainda mais imponente, além de trazer alterações no motor e no pacote de conteúdo, que agora inclui frenagem autônoma de emergência e wi-fi nativo. É um carro espaçoso, bem-equipado e com bom desempenho, mas cobra muito caro por isso, assim como seus concorrentes.

O novo desenho frontal do Trailblazer traz duas barras cromadas na parte superior da grade, emoldurando o nome Chevrolet, que se destaca em alto-relevo e em preto brilhante. A parte inferior da grade traz entrada de ar maior, e a gravatinha dourada, símbolo da marca, aparece menor e deslocada para a direita. Os faróis principais e os de neblina são halógenos, mas o modelo traz luz diurna em LED. Na parte central do para-choque dianteiro, novo skid plate enfatiza a característica off road do SUV e otimiza o ângulo de ataque. Visto de frente, o Trailblazer ficou mais robusto e imponente, com o capô mais alto e vincado.

No teto, rack de alumínio, e na parte inferior das portas o providencial estribo, que ajuda muito no embarque e desembarque, já que o carro é alto. As alças internas também auxiliam nesse quesito. As rodas são de liga leve de 18 polegadas, calçadas com pneus de uso misto. Na traseira, lanternas com LED e a câmera de ré com sistema de tráfego cruzado, que detecta a movimentação de outros veículos nas proximidades durante manobras. A imagem vista na tela do painel tem linhas guias para ajudar a estacionar, para facilitar o engate do reboque e para conferir se está tudo certo lá atrás durante a viagem.

A enorme tampa do porta-malas é bem pesada e não conta com sistema elétrico de abertura ou fechamento, e traz apenas um puxador interno. O porta-malas tem luzes auxiliares e uma tomada de 12 volts, além de ser todo revestido com carpete. Tem um compartimento com tampa bem na entrada da área de carga, que serve para guardar o triângulo de sinalização e a cobertura retrátil do porta-malas. Com as três fileiras de bancos montadas, o porta-malas tem volume de 205 litros, de acordo com a GM. Já com a segunda e terceira fileiras rebatidas, o volume chega a 1.830 litros, considerando o espaço até o teto.

O interior do SUV é espaçoso e prático, com bancos dianteiros confortáveis e com abas laterais, além de assentos que apoiam bem as pernas. O banco do motorista tem ajustes elétricos, mas não traz a regulagem lombar. A segunda fileira tem espaço generoso em relação aos bancos dianteiros, mas mereciam assentos maiores para proporcionar melhor apoio às pernas. O assoalho ali é quase plano, com o túnel baixo e o console não invade tanto o espaço, além de trazer uma tomada 12V e saídas do ar-condicionado, que também estão no teto. O encosto do banco da segunda fileira é rebatível e reclinável, mas o apoio de braço embutido no meio compromete o conforto de quem senta ali.

Para acessar a terceira fileira, basta puxar um dispositivo no encosto do banco da segunda e rebatê-lo, abrindo um amplo vão de passagem, em uma operação bem fácil. A terceira fileira tem bancos pequenos, com assentos baixos e curtos, que não apoiam bem as pernas. É opção para o transporte de crianças.

O acabamento interno do Chevrolet Trailblazer pode parecer fraco para um carro que custa mais de R$ 300 mil, já que traz algumas partes em plástico duro. Mas tem também material emborrachado no painel e couro revestindo os bancos e em detalhes nos painéis das portas. O volante é revestido em couro, tem ajuste de altura e traz os comandos para o sistema de áudio, celular, computador de bordo e controlador de velocidade. Não tem as aletas para trocas de marchas manuais. O painel tem instrumentos analógicos e uma pequena tela central do computador de bordo que mostra, entre outras coisas, o índice Eco e a tendência do consumo de combustível, o velocímetro digital, termômetro, cronômetro e pressão dos pneus. O SUV grandalhão não tem chave presencial.
 
O painel é simples, com multimídia de oito polegadas, e a terceira fileira de bancos tem espaço ideal para crianças e deixa o porta-malas com capacidade reduzida. O motor 2.8 proporciona bom desempenho
O painel é simples, com multimídia de oito polegadas, e a terceira fileira de bancos tem espaço ideal para crianças e deixa o porta-malas com capacidade reduzida. O motor 2.8 proporciona bom desempenho
 

CONECTIVIDADE

O sistema multimídia que equipa a versão Premier do Trailblazer é o MyLink, com tela tátil de oito polegadas. O modelo merecia uma tela maior. O sistema traz rádio, conexão de celular sem fio por Android Auto e Apple CarPlay, navegação nativa, roteador wi-fi que permite a conexão de até sete dispositivos e o pareamento de dois celulares. O ar-condicionado tem um comando que direciona o fluxo de ar para os bancos traseiros. O modelo traz duas tomadas de 12V no painel e duas USB dentro do nicho no console.

DESEMPENHO

O motor 2.8 turbodiesel foi recalibrado e garante respostas rápidas ao comando do acelerador, com arrancadas ágeis e retomadas de velocidade seguras. O câmbio é automático de seis velocidades, com a opção de trocas manuais na alavanca. O SUV merecia pelo menos um câmbio de oito marchas, para ajudar a reduzir o consumo de combustível. Mas as marchas foram bem escalonadas e as trocas são feitas de maneira suave, sem trancos. Com esse conjunto mecânico, o computador de bordo do Trailblazer registrou consumo médio de 8,4km/l, mesclando trechos na cidade e estrada.

O modelo mantém o sistema de tração 4x4 com reduzida e bloqueio de diferencial, que fazem o grandalhão superar com desenvoltura trechos de fora de estrada. A boa altura em relação ao solo e os bons ângulos de ataque e saída enfatizam a característica off road. O pacote de itens de série traz ainda sistema de alerta de permanência de faixa, alerta de ponto cego, aviso de colisão frontal com frenagem de emergência para veículos e pedestres, auxílio de descida e subida em rampa e controles de tração e estabilidade.

A direção com assistência elétrica foi bem calibrada e tem bom diâmetro de giro, considerando o tamanho do carro. As suspensões também foram bem ajustadas, garantindo boa estabilidade em curvas, com inclinação da carroceria aceitável, e filtrando bem as irregularidades do solo, preservando o conforto. Os freios com discos nas quatro rodas e os sistemas eletrônicos de auxílio garantem frenagens seguras, apesar de o carro pesar mais de duas toneladas.

CONCORRENTES

No segmento de SUVs de sete lugares, motorização turbodiesel e tração 4x4, o Chevrolet Trailblazer tem dois concorrentes de peso. Um deles é o Toyota SW4 SRX, que tem motor 2.8 16V turbodiesel, de 204cv e 50,9kgfm de torque, tração 4x4 com reduzida e bloqueio eletrônico do diferencial, câmbio automático de seis marchas. Seus principais equipamentos são seletor de modos de direção, multimídia com tela de oito polegadas, TV Digital5, sete airbags, controle eletrônico de estabilidade e tração, assistentes de descida e subida, assistência em frenagem de emergência, assistente de pré-colisão com alerta sonoro e visual e frenagem automática, sistema de alerta de mudança de faixa, controle adaptativo de velocidade de cruzeiro (ACC) e faróis em LED. Essa versão tem preço sugerido de R$ 353.990.

Já o Mitsubishi Pajero Full HPE (Comfort Pack), vendido por R$ 356.990, é equipado com motor 2.4 litros de 190cv e 43,9kgfm, câmbio automático de oito marchas, tração integral 4WD com bloqueio do diferencial traseiro. A lista de equipamentos do modelo traz banco do motorista com ajuste elétrico, teto solar, troca de marcha no volante (paddle shifters), Adaptive Cruise Control, seis airbags, assistente de condução com trailer, Brake Assist System, Brake Override System, sistema de frenagem automática, freio de estacionamento eletrônico, Hill Descent Control, Hill Start Assist System, limitador de velocidade eletrônico, sistema de tração Off-Road mode, câmera de ré, GPS/Navi wi-fi e piloto automático adaptativo.

FICHA TÉCNICA

» MOTOR (*)

Dianteiro, longitudinal, quatro cilindros em linha, 16 válvulas, 2.776cm³ de cilindrada, turbodiesel, injeção direta de combustível, que desenvolve 200cv a 3.600rpm e torque máximo de 51kgfm a 2.000rpm

» TRANSMISSÃO (*)

Tração 4x2, 4x4, reduzida, com bloqueio do diferencial traseiro, e câmbio automático de seis marchas com opção de troca manual Active Select

» SUSPENSÃO/RODAS/PNEUS (*)

Dianteira do tipo McPherson, com rodas independentes, braços sobrepostos; traseira, com eixo rígido/ 8 x 18, de liga leve/265/60 R18

» DIREÇÃO (*)

Do tipo pinhão e cremalheira, com assistência elétrica progressiva

» FREIOS (*)

A discos ventilados nas quatro rodas, com ABS, distribuição eletrônica de frenagem (EBD) e assistência de frenagem de urgência (PBA)

» CAPACIDADES (*)

Do tanque, 76 litros; porta-malas, 554 litros (cinco lugares) e 205 litros (sete lugares); e de carga útil (passageiros mais bagagem), 589 quilos

» PESO (*)

2.161 quilos

» DIMENSÕES (*)

Comprimento, 4,88m; largura, 1,90m; altura, 1,84m; distância entre-eixos, 2,84m; altura livre do solo, 19cm

» ÂNGULOS DE ATAQUE/SAÍDA/CENTRAL (*)

29 graus/19,6 graus/22 graus

» DESEMPENHO (*)

Velocidade máxima, 180km/h; de 0 a 100km/h em 10,3s

» CONSUMO (**)

Na cidade, 8,4km/l; na estrada, 10,5km/l; autonomia de 798 quilômetros

(*) Dados dos fabricantes
(**) Dados do Inmetro

EQUIPAMENTOS

DE SÉRIE – Sete lugares, seis airbags, ar-condicionado digital com difusores no teto para os bancos traseiros, assistente de partida em aclive, banco do motorista com ajuste elétrico, controle de oscilação de trailer ou reboque (TSC), controle de velocidade em declive, controle eletrônico de estabilidade, controle de tração, estribos laterais, faróis de neblina, luz de condução diurna, luz de posição em LED, bancos com revestimento premium, lanternas traseiras em LED, rack de teto com barras longitudinais, rodas de alumínio 18 polegadas, sensores de estacionamento dianteiro e traseiro, sistema de partida do motor por controle remoto, com acionamento do ar-condicionado, Isofix, sistema premium de áudio, volante multifuncional, controle de velocidade de cruzeiro, sistema Chevrolet MyLink com tela LCD sensível ao toque de oito polegadas, navegador integrado, integração com smartphones por meio de Android Auto e Apple CarPlay, rádio AM-FM, entrada USB e aux-in, função Audio Streaming, Bluetooth, projeção da tela do smartphone sem uso de cabo, câmera de ré digital, wi-fi embarcado para até sete dispositivos eletrônicos, cobertura articulada do porta-malas, alerta de pressão dos pneus, alerta de colisão frontal, alerta de saída de faixa, frenagem automática de emergência (AEB) com detecção de pedestres e Assistente Inteligente de Frenagem (IBA).

» OPCIONAL

Pintura sólida (R$ 850) e metálica (R$ 1.900)

» QUANTO CUSTA

O Chevrolet Trailblazer Premier 2.8 AT6 turbodiesel tem preço sugerido de R$ 317.600. Com a pintura metálica, vai para R$ 319.500.

» NOTAS

  • Desempenho 8
  • Espaço interno 8
  • Porta-malas 8
  • Suspensão/direção 8
  • Conforto/ergonomia 8
  • Itens de série/opcionais 8
  • Segurança 8
  • Estilo 8
  • Consumo 8
  • Tecnologia 7
  • Acabamento 8
  • Custo/benefício 7
 
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade