Publicidade

Estado de Minas RENAULT DUSTER ICONIC 1.6 CVT

Melhorou, mas falta preço

Se os planos para a compra de um SUV não foram adiados pela pandemia do novo coronavírus, testamos pra você o renovado Renault Duster, que não convence pela relação custo/benefício


postado em 30/05/2020 04:00 / atualizado em 29/05/2020 22:27

(foto: Adriano Sant%u2019Ana/EM/D.A Press)
(foto: Adriano Sant%u2019Ana/EM/D.A Press)


O Duster foi renovado em março, o que a Renault chamou de segunda geração do modelo. Porém, como não houve uma evolução substancial, tratamos esse tipo de mudança apenas como uma reestilização, a segunda aplicada ao modelo lançado por aqui em 2011. Como a marca fez com a família Sandero, o Duster manteve a antiga plataforma, o que o impede de agregar melhorias em aspectos de tecnologia e segurança. Reforça essa ideia a ausência de alguma evolução no conjunto mecânico.
 
(foto: Adriano Sant%u2019Ana/EM/D.A Press)
(foto: Adriano Sant%u2019Ana/EM/D.A Press)
 
 
Apesar de não parecer, toda a carroceria do Duster foi renovada, acentuando a ideia de força. O interior agora tem visual exclusivo, tendo ganhado um novo painel mais volumoso e com orientação horizontal. O resultado ficou bom, mas o material é pobre, em plástico duro, e o acabamento deixa a desejar em algumas junções entre as peças. O espaço interno é bom para um compacto, principalmente no porta-malas. Já no banco traseiro o espaço é apenas razoável, e o passageiro do meio é bastante prejudicado pelo túnel do assoalho.
 
(foto: Adriano Sant%u2019Ana/EM/D.A Press)
(foto: Adriano Sant%u2019Ana/EM/D.A Press)
 

AO VOLANTE O casamento entre o motor 1.6 e o câmbio automático tipo CVT é harmonioso no cenário urbano, que não exige muito do conjunto. O bom torque em baixa rotação já é o bastante para aliar agilidade e um consumo de combustível na média. Mas, se sua ideia é pisar mais fundo, é bom ter paciência, já que o ganho de velocidade é gradual e o consumo certamente vai aumentar. O motor ainda faz uso do tanquinho auxiliar de gasolina para a partida a frio, o que é impensável para um veículo atual.

CONTEÚDO Entre os itens de série desta versão de topo, destaque para o alerta de ponto cego, chave presencial, sistema multimídia, ar-condicionado digital, rodas de 17 polegadas e a Câmera Multiview (com quatro câmeras: dianteira, traseira e laterais). O SUV compacto da Renault fica devendo mais airbags (laterais e de cortina) e controle de tração, já que ainda não alcançou nota máxima de segurança no Latin NCAP, onde obteve quatro estrelas de proteção aos adultos e três para crianças.
 
n QUANTO CUSTA

O Renault Duster custa a partir de 
R$ 74.690 na versão Zen 1.6 com câmbio manual. Testamos a versão topo de linha Iconic 1.6 CVT, vendida por R$ 90.690.

FICHA TÉCNICA

Potência: 120cv a 5.500rpm (e)
Torque: 16,2kgfm a 4.000rpm (g/e)
Velocidade máxima: 173km/h (e)
Aceleração: 12,3s (g)
Dimensões (m)(*): 4,37x1,83x1,69x2,67
Peso: 1.279kg
Porta-malas: 475 litros
Consumo urbano (km/l) (**): 10,7(g)/ 7,2(e)
Consumo rodoviário (km/l) (**): 11,1(g)/ 7,8(e)

(*) A: comprimento; B: largura; 
C: altura; e D: distância entre-eixos
(**) Dados do Inmetro
(g) gasolina; (e) etanol 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade