Publicidade

Estado de Minas VOLKSWAGEN VIRTUS 200 TSI

Muita grana pelo pacote

Testamos o sedã compacto premium na versão Highline com os kits opcionais Beats Sound e Tech High, que o deixam mais sofisticado e ainda mais caro. Motor e câmbio se destacam


postado em 01/02/2020 04:00 / atualizado em 31/01/2020 15:14

Modelo tem estilo discreto sem ser careta, e a versão traz alguns detalhes cromados para sugerir sofisticação(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Modelo tem estilo discreto sem ser careta, e a versão traz alguns detalhes cromados para sugerir sofisticação (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)


O Volkswagen Virtus está há dois anos no mercado brasileiro e desde que foi lançado conquistou uma legião de fãs. No ano passado, só não vendeu mais do que o antigo Chevrolet Prisma e o Ford Ka Sedan, mas liderou entre os sedãs compactos premium. Testamos a versão Highline, topo de linha, equipada com sistema de som Beats e pacote tecnológico, que deixa o carro mais recheado, porém, com preço próximo ao das versões de entrada dos sedãs médios. O Virtus tem como atrativos o conjunto mecânico, que garante bom desempenho, e o amplo espaço interno. Confira o teste.
A versão topo de linha do VW Virtus traz alguns detalhes no visual que sugerem sofisticação, com a intenção de fazê-lo parecer um modelo de segmento superior. Os faróis têm máscara negra e a luz diurna em LED fica junto ao auxiliar de neblina. A frente tem conjunto harmonioso, com a grade e para-choques com frisos cromados. É um sedã de estilo sóbrio, mas sem ser careta.
 
A linha de cintura elevada é enfatizada pelo friso marcante que atravessa as duas portas e segue até as lanternas traseiras(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
A linha de cintura elevada é enfatizada pelo friso marcante que atravessa as duas portas e segue até as lanternas traseiras (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Um dos destaques do modelo é o porta-malas, que comporta 521 litros de bagagem, e, embora tenha tampa com alças do tipo pescoço de ganso, tem espaço de sobra. O compartimento de bagagem traz ainda rede para prender objetos e iluminação, além de ser quase todo revestido. Quase, já que faltou revestimento na parte interna da tampa. Por dentro, o espaço é bom, com bancos dianteiros com abas laterais e assento que apoia bem as pernas. O do motorista tem regulagem de altura. O banco traseiro tem bom espaço para as pernas, túnel baixo no assoalho e saídas de ar-condicionado e uma entrada USB para quem senta ali, além de Isofix e Top Tether para fixação de cadeiras infantis. O espaço atrás é ideal para dois. Três ficam um pouco apertados.
 
 
Elemento na quina da tampa do porta-malas faz a função de um defletor de ar(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Elemento na quina da tampa do porta-malas faz a função de um defletor de ar (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
No acabamento interno da versão predomina o plástico duro no painel, mas de boa aparência e montagem benfeita. A unidade testada estava com bancos revestidos em tecido, mas quem optar pelo couro terá que desembolsar mais R$ 550. O painel é todo digital, com conta-giros, velocímetro, computador de bordo e visor com as instruções do GPS.

OPCIONAIS A versão trazia ainda o Kit Beats Sound (R$ 2.160), que agrega porta-malas com rede e sistema de regulagem variável de espaço, além de sistema de som com quatro alto-falantes, dois tweeters, amplificador e subwoofer com ajustes especiais. O áudio não decepciona, com boa definição de graves, agudos e médios, e pouca distorção em volume elevado. Pela tela digital o motorista controla o balanço entre os alto-falantes dianteiros e traseiros.
 
Banco traseiro tem todos os itens de segurança e proporciona conforto para dois(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Banco traseiro tem todos os itens de segurança e proporciona conforto para dois (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
O outro pacote opcional é o Tech High (R$ 4.290), que traz Park Pilot (sensor de estacionamento dianteiro), antena Diversity, câmera de ré, detector de fadiga, retrovisor interno eletrocrômico, faróis com função coming/leaving home, luz de condução diurna em LED ao lado dos faróis de neblina, indicador de pressão dos pneus, Post Collision Brake, instrumento combinado digital (Active Info Display), sensores de chuva e crepuscular, sistema multimídia Discovery Media com CD-Player, App-connect e comando de voz, e sistema de navegação. As rodas de liga leve de 17 polegadas são outro item opcional, por R$ 945. Com todos os opcionais e pintura metálica (R$ 1.570), a versão Highline, que tem preço de R$ 84.290, sobe para R$ 93.805. Muito dinheiro por um sedã compacto.

DIRIGINDO O conjunto mecânico, formado pelo motor três-cilindros 1.0 turbo de 128cv de potência máxima e 20,4kgfm de torque, e câmbio automático de seis velocidades, é o principal atrativo do sedã. Com bom torque e potência, o motor convida a acelerar, garantindo arrancadas rápidas e retomadas de velocidade seguras. O câmbio tem boa relação de marchas e as trocas podem ser feitas manualmente na alavanca ou nas aletas atrás do volante. O consumo medido pelo Inmetro é de 11,2km/l (gasolina) e 7,8km/l (etanol) na cidade. E na estrada, 14,6km/l (g) e 10,2km/l (e).
A direção, com assistência elétrica, foi bem calibrada, principalmente para velocidades mais elevadas, transmitindo segurança. Em manobras em ambientes mais apertados, o diâmetro de giro não favorece muito. As suspensões são mais firmes, garantindo boa estabilidade em curvas, mas transferem as irregularidades do solo quando se trafega sobre pisos ruins. O sistema de freios, com discos nas quatro rodas e eletrônica, atuou de forma eficiente.
 
As rodas de liga leve de 17 polefadas são opcionais e custam R$ 945(foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
As rodas de liga leve de 17 polefadas são opcionais e custam R$ 945 (foto: Leandro Couri/EM/D.A Press)
Comparado com seus principais concorrentes, o VW Virtus Highline tem um bom pacote de itens de série, com quatro airbags, auxílio de partida em rampa, ar-condicionado digital, controle automático de velocidade, entre outros. Mas perde para o Honda City e Chevrolet Onix Plus, que trazem seis airbags de série. O Fiat Cronos tem preço mais em conta, mas perde na lista de equipamentos. O problema é que, com preço acima dos R$ 90 mil, o Virtus Highline esbarra nos sedãs médios de entrada. E aí a coisa complica.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade