Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Torcicolo na esquina

Com visual agressivo que atrai olhares, modelo esportivo chega no fim do ano, equipado com motor Testastretta DVT de 1.262cm³ e 159cv, painel com tela TFT e muita eletrônica


postado em 01/06/2019 04:12

Os freios têm sistema ABS cornering, que permite acionamento em curvas(foto: Ducati/Divulgação)
Os freios têm sistema ABS cornering, que permite acionamento em curvas (foto: Ducati/Divulgação)



A motocicleta Ducati Diavel 1260 S foi apresentada de forma “intrometida” no Salão do Automóvel de Genebra, Suíça, em março de 2019. É que a montadora italiana pertence à Audi, que, por sua vez, pertence à Volkswagen. Instalada oficialmente no Brasil, também vai trazer o modelo até o fim do ano (confirmado pelo presidente da marca, Diego Borghi, em inauguração da concessionária em Belo Horizonte), porém, ainda sem preço definido. A Diavel 1260 S é a segunda geração do modelo, lançada em 2010, e passa a contar com o novo motor Testastretta DVT de 1.262cm³.


Esse mesmo motor também equipa o modelo X-Diavel, prima de estilo mais cruiser, e a big trail Multistrada, ambas também comercializadas no Brasil. O sofisticado motor de dois cilindros em L, espécie de marca registrada da Ducati, ganhou sistema de comando de válvulas variável, que permite uma distribuição de torque mais linear, facilitando as retomadas em baixas velocidades, mantendo o caráter esportivo em altos giros, e quick shift tanto para passar quanto para reduzir as marchas. A potência máxima atinge 159cv a 9.500rpm e o pico de torque de 13,1kgfm chega a 7.500rpm.

CANHÃO O motor também ganhou um arsenal eletrônico. Na hora de arrancar, o controle de largada garante saídas relâmpagos, estilo dragster, com ajuda do controle de empinadas, que pode ser regulado. Andando, a Ducati 1260 S conta com controle de tração em oito níveis de atuação e também três mapas de motor: Urban, para rodar nas cidades, Touring, para as estradas, e Sport, para acelerar. Todos os sistemas estão integrados à central de medição inercial, que processa e compara os dados, dosando instantaneamente cada um deles, conforme as exigências do momento.


Na hora de brecar, sistema ABS de curvas regulável em três níveis de atuação. Na dianteira, dois discos flutuantes de 320mm de diâmetro, com pinças Brembo, monobloco de fixação radial e um disco simples na traseira com 265mm de diâmetro. As suspensões tem assinatura Ohlins. Na dianteira, sistema invertido totalmente regulável, com tubos de 48mm de diâmetro, e na traseira, amortecedor único, disposto horizontalmente, regulável na pré-carga e extensão, ancorado em vigorosa balança em alumínio do tipo monobraço.

CELULAR O painel, com tela colorida TFT, pode ser ajustado em quatro modos de apresentação, ligados aos mapeamentos de motor, além de um somente com as informações básicas. O sistema multimídia permite o espelhamento do celular na tela, via Bluetooth, e acesso às chamadas e textos, bem como informações sobre músicas que o piloto pode ouvir. A Ducati 1260 S também conta com sistema de chave inteligente, que destrava a ignição mesmo no bolso, por reconhecimento e aproximação da moto.


A iluminação e totalmente em LED, com sistema de luz diurna no farol dianteiro. Sensores garantem o acendimento automático do farol. Porém, pode ser desativado. O quadro é em tubos de aço em treliça, com o motor fazendo parte da estrutura, outra marca registrada Ducati. O enorme pneu traseiro, com medida 240/45 atrás é outra característica marcante. As rodas são de liga leve, com aros de 17 polegadas. Para completar, conta com piloto automático e um visual agressivo, quase exótico, para provocar torcicolo por onde desfilar.


Publicidade