Publicidade

Estado de Minas

'Se a mulher quer ser poderosa, respeitem isso''


postado em 21/07/2019 04:19

Em Verão 90, Quinzão (Alexandre Borges) e Lidiane (Claudia Raia) vivem entre fogo e paixão(foto: João Miguel Júnior/Globo)
Em Verão 90, Quinzão (Alexandre Borges) e Lidiane (Claudia Raia) vivem entre fogo e paixão (foto: João Miguel Júnior/Globo)
Alexandre Borges viveu o mulherengo Quinzão de Verão 90, novela das 19h da Globo que termina na sexta-feira (26). Depois de muitos casos de infidelidade, o personagem tomou coragem de pedir o divórcio para Mercedes (Totia Meireles) e assumir uma relação com Lidiane (Claudia Raia). No entanto, ele terá uma recaída pela ex-mulher na reta final da história. Para seu intérprete, fazer comédia é sempre arriscado. Por isso, não pode ter nenhum tipo de medo em cena.

"A comédia é um salto sem rede, é uma entrega em que você não pode temer o ridículo, estar 'over'. Tem de fazer com verdade, acreditando naquilo, se apoiando no texto, em uma situação que, com uma direção como a do Jorge (Fernando), coloca em uma realidade diferente. Saio da novela melhor do que entrei como ator", afirma.

Para Alexandre, Quinzão representou o homem da década de 1990, que não escondia seus desejos. Por conta dessa característica, o ator comenta que seu personagem se encantou com o poder feminino de Lidiane. A ponto de jogar fora o casamento de anos, que incluía a parceria nos negócios. Mas, depois de falido, ele deve terminar ao lado de Mercedes.

Além de Verão 90, Alexandre Borges e Claudia Raia formaram par romântico na Globo em Ti-ti-ti (2010), Belíssima (2005), O beijo do vampiro (2002), As filhas da mãe (2001), Mulher (1999) e Engraçadinha (1995). Com a sétima parceria em cena, o ator ressalta a importância dessa cumplicidade na hora de contracenar para que, inclusive, ambos improvisem juntos. "A Claudia é um furacão, uma mulher com muita garra, profissional e louca como eu em cena", conta.

SEM CULPA Aos 53 anos, Alexandre diz que não teria receio de uma mulher como Lidiane em sua vida. No entanto, acredita que alguns homens ainda evitam se envolver com alguém tão livre sexualmente e segura quanto a personagem defendida por Claudia Raia. Mesmo assim, acredita que o essencial é o homem respeitar a parceira, acima de tudo.

"Alguns sentem, mas uma mulher assim não colocaria medo em mim. Acho que a gente tem de crescer e aparecer. Todo mundo tem a liberdade de ser pleno sem culpa, sabendo seus limites. Estamos trabalhando para que cada um se exprima como queira. Se a mulher quer ser poderosa, respeitem isso. Se é mais contida, também deve ser respeitada. Não tenho medo de nada", assegura o ator. (Estadão Conteúdo)

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade