Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Metamorfose masculina

Alexandre Borges, que interpreta o mulherengo Quinzão em Verão 90, afirma que os códigos de comportamento dos homens mudaram radicalmente em relação à década de 1990


postado em 17/03/2019 05:15

Alexandre Borges (Quinzão) é marido de Totia Meireles (Mercedes), em Verão 90 (foto: Victor Pollak/Globo)
Alexandre Borges (Quinzão) é marido de Totia Meireles (Mercedes), em Verão 90 (foto: Victor Pollak/Globo)


As pessoas mudaram bastante desde os anos 1990. Para Alexandre Borges, Quinzão, seu personagem em Verão 90, mostra um comportamento do homem desse período, que, entretanto, não é mais tolerável na sociedade atual. Na novela das 19h da Globo, o marido de Mercedes (Totia Meireles) faz o clássico mulherengo que usa o poder da família a seu favor na hora conquista.

“Ele é um cara que não tem o pudor de achar uma mulher bonita, querer conhecer melhor, paquerar. Às vezes, a gente vai conseguir enxergar de uma maneira bem-humorada os limites do que é ser homem nos anos 1990, que é diferente de hoje. Quais são os códigos (de comportamento)? Atualmente, isso tudo está muito mais definido, coisa que não existia antes”, observa o ator.

Para Alexandre, a década de 1990 foi de muito trabalho. Ele conta que, desde 1985, já estava em São Paulo se dedicando ao ofício. Segundo o ator, existia o questionamento sobre o futuro na profissão, mas era um momento em que já acumulava experiências no teatro, cinema e televisão.

“Até os 40 anos, alguma coisa precisava acontecer. Eu precisava saber se era um bom ator ou não, se a carreira ia caminhar. Nos anos 1990, foi aquele momento em que eu já havia feito teatro, viajava em festivais fora do Brasil, trabalhei com o Walter Salles, fiz o Terra estrangeira (1996), que foi um filme fundamental para a retomada do cinema brasileiro. Então, estava me sentindo pronto para arriscar, Deus me ajudou e virei galã”, relata.

Embora fale dos anos 1990 com entusiasmo, Alexandre confessa que não sente nenhum saudosismo. Para ele, já passou... De acordo com o ator, rola uma estranheza em se referir à Verão 90 como uma trama de época, mas, ao mesmo tempo, tudo era muito diferente. “Não faz tanto tempo assim, mas são mundos completamente diferentes. Com certeza, é uma década muito forte em termos musicais, do início das tecnologias, produtos de fora começaram a chegar mais ao Brasil, o começo da MTV... Não tinha internet nem celular, as pessoas se falavam mais olho no olho ou, pelo menos, ouvia-se a voz pelo telefone. Não sinto falta dessa época. Já passou!”, afirma.

CINQUENTÃO

Aos 53 anos, o ator comemora o passar do tempo e assegura que está adorando a nova fase de vida. De acordo com ele, não faltam motivos para agradecer, como o bem-estar de sua família, trabalhar com pessoas que admira como Claudia Raia, Dira Paes e Totia Meireles.

Além disso, ele conta que cuida da aparência e da saúde. Por isso, pratica exercícios e cortou algumas itens da alimentação, como refrigerante e doce. “Estou adorando os 50. Essa década está sendo maravilhosa! Minha família, meus pais, que ainda tenho o privilégio de tê-los vivos. Enfim, coisas maravilhosas... Eu voltando a trabalhar com o Jorge Fernando. De cuidados, dou aquela caminhadinha, se possível diariamente, de 40 minutos, umas flexões, limpeza de pele, creminhos e alimentação melhor.” (Estadão Conteúdo)


Publicidade