Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Publicidade

Estado de Minas

Saga de Éder Jofre na telinha


postado em 23/12/2018 05:03

Em 10 segundos para vencer, Daniel de Oliveira (Jofre) é filho de Osmar Prado (Kid Jofre) (foto: Gui Maia/Divulgação)
Em 10 segundos para vencer, Daniel de Oliveira (Jofre) é filho de Osmar Prado (Kid Jofre) (foto: Gui Maia/Divulgação)

A minissérie 10 segundos para vencer conta a história do bicampeão mundial de boxe Éder Jofre, interpretado por Daniel de Oliveira. Com estreia marcada para 8 de janeiro, após O sétimo guardião, na Globo, a produção é um desdobramento do filme homônimo, dirigido por José Alvarenga Jr., e conta com cerca de 20 minutos de material inédito. As cenas mostram Jofre dividido entre as carreiras de desenhista e lutador, até que acaba escolhendo o boxe. Treinado pelo pai, Kid Jofre (Osmar Prado), o pugilista foi o primeiro brasileiro a lutar nos Estados Unidos e a conquistar o título de campeão mundial.

“Desde o início, o projeto foi pensado como uma série e a consequência disso é que nós filmamos um material inédito para que fosse incorporado à minissérie, só não sabíamos quando iria ao ar. Tem alguns dramas que o filme não pode abordar em função do seu tempo, como, por exemplo, o conflito entre o pai do Kid Jofre e o Parnassus (Victor Laplace), que era o organizador das lutas nos Estados Unidos”, adianta José Alvarenga Jr.

Segundo Daniel de Oliveira, a minissérie merece ser vista por mais pessoas. Afinal, Éder Jofre está entre os 10 melhores pugilistas do mundo, no Hall da Fama, em Nova York. O lutador participou de 81 lutas, teve 75 vitórias, quatro empates e duas derrotas, por pontos. Aliás, o título da produção faz referência aos 10 segundos que o atleta tem para se levantar após a queda, uma contagem que Éder nunca ouviu.

“Que bom que virou minissérie, porque muitos vão assistir! Infelizmente, o cinema não tem esse alcance aqui no Brasil. Vem os Vingadores e acabam com a gente e os filmes brasileiros saem de cartaz para os americanos, principalmente. Agora, dá para ampliar, colocar cenas que não estiveram no longa e levar o nome de Éder Jofre adiante. Isso é importante porque o Éder está aí, vivo. Ele foi na pré-estreia em São Paulo e foi lindo”, conta Daniel.

CONFLITOS Em quatro episódios, a história também aborda os conflitos de Éder com a namorada e depois esposa Cida (Keli Freitas), que sofria ao vê-lo machucado após as lutas. Além disso, retrata em cenas inéditas a relação da mãe do lutador, Angelina (Sandra Corveloni), com a nora.

A minissérie também conta com uma parte documental, com depoimentos inéditos, como o do japonês Masahiro Harada, de 82 anos, que foi o único a derrotar Éder

“Foi um momento mágico, aos 71 anos, poder fazer Kid Jofre no cinema. Tinha 13 anos quando o Éder se consagrou campeão, então, era um grande herói na época. Nós éramos muito felizes. Costumo dizer que nós tínhamos o Éder campeão, o Pelé artilheiro de 1958, a Esther Bueno no tênis, democracia, comida, prazer... Nós éramos felizes e não éramos ricos”, relata Osmar Prado. (Estadão Conteúdo)


Publicidade