Publicidade

Estado de Minas RETOMADA

Ecoturismo poderia gerar quase 1 milhão de empregos, aponta estudo

Estudo aponta que ecoturismo no Brasil poderia representar até R$ 44 bilhões no PIB do país; impacto na economia poderia criar 978 mil novos postos de trabalho.


19/07/2021 14:56 - atualizado 19/07/2021 15:54

Parque Estadual do Ibitipoca, previsto para concessão à iniciativa privada até 2022. (foto: Flickr/Reprodução )
Parque Estadual do Ibitipoca, previsto para concessão à iniciativa privada até 2022. (foto: Flickr/Reprodução )
O potencial dos parques nacionais e estaduais no crescimento da economia pode chegar até R$ 44 bilhões no Produto Interno Bruto (PIB) do país. É o que aponta um estudo divulgado pelo Instituto Semeia em julho. 

 Estima-se que os parques brasileiros receberam em 2019 cerca de 13 milhões de visitantes. Contudo, o número poderia ter sido muito maior, chegando a 56 milhões de visitantes, entre turistas nacionais e internacionais. Parques naturais são unidades de conservação de proteção integral, onde também ocorre visitação pública.

“Temos um patrimônio natural único no mundo, e que pode ser melhor utilizado dentro de uma estratégia de desenvolvimento sustentável para o país”, afirma Fernando Pieroni, diretor-presidente do Instituto Semeia, que atua nacionalmente no desenvolvimento de modelos de gestão dos parques. A organização sem fins lucrativos defende a união de governos, sociedade civil e iniciativa privada na conservação dos espaços naturais. 

Impacto na economia 


Enquanto o Brasil ocupa a 2ª posição no mundo no que diz respeito a seu patrimônio natural, a participação do ecoturismo em parques no PIB nacional é de cerca de 0,14%.

O aumento da procura pelo ecoturismo leva a uma ampliação dos gastos na região onde se encontram as unidades de preservação ambiental. Com a chegada dos visitantes, haverá maior demanda por alimentação, hospedagem, passeios guiados e outros serviços turísticos. Os resultados desse impacto na economia podem representar 978 mil postos de trabalho vinculados à visitação de parques naturais no país. 

Cachoeira dos Cristais, Parque Estadual do Biriri. O parque está previsto para concessão à inciativa privada até 2022.(foto: Wikimedia Commons/Reprodução )
Cachoeira dos Cristais, Parque Estadual do Biriri. O parque está previsto para concessão à inciativa privada até 2022. (foto: Wikimedia Commons/Reprodução )
“Nessa estratégia, nossos parques podem ser os grandes vetores do desenvolvimento, muitas vezes em regiões afastadas dos grandes centros urbanos”, compartilha Pieroni. A pesquisa sugere a geração de cerca de 22 mil empregos a cada R$ 1 bilhão de impacto dos parques no PIB.

Para a organização, atingir este potencial requer uma série de políticas públicas coordenadas. “O fortalecimento da gestão de nossos parques é fundamental para que possamos receber cada vez mais visitantes e ao mesmo tempo conservarmos a natureza para as próximas gerações”, enfatiza Rodrigo Góes, coordenador de projetos do Instituto Semeia. 

Parques concedidos à iniciativa privada em Minas Gerais

Até 2022, pelo menos sete parques estaduais de Minas Gerais serão repassados para a iniciativa privada. Os parques do Rio Doce, Itacolomi, Serra do Rola Moça, Ibitipoca, Rio Preto, Biribiri e Pico do Itambé estão entre os nomes incluídos no Programa de Estruturação de Parques Estaduais. 

O programa tem o objetivo de aumentar o investimento nas estruturas dos parques públicos e colaborar com o crescimento do turismo no país. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade