Publicidade

Estado de Minas GASTRONOMIA

O melhor café do planeta é produzido em Minas Gerais; saiba onde

Fazendas cafeeiras na Serra da mantiqueira abrem as portas para os visitantes apaixonados pelo produto


postado em 10/03/2020 04:00 / atualizado em 10/03/2020 13:44

No Parque das Águas, o roteiro do Coffee Hunters vai oferecer um banho de café (foto: Patrick Grosner/Acervo Secult)
No Parque das Águas, o roteiro do Coffee Hunters vai oferecer um banho de café (foto: Patrick Grosner/Acervo Secult)

 
Se Minas Gerais já ostenta o título de maior produtor do mundo, o estado pode se orgulhar de ter também o melhor café do planeta. O grande vencedor do Cup of Excellence – principal concurso internacional, foi Sebastião Afonso da Silva, que tem uma fazenda no município de Cristina.
 
Um dos maiores diferenciais do café plantado na Serra da Mantiqueira, é que os produtores podem fazer uma colheita tardia, mantendo os grãos maduros por mais tempo no galho. O resultado é um produto equilibrado entre acidez e doçura.
 
Para quem é apaixonado pelo nosso cafezinho de todo dia, a Tripness tem um tour batizado de Coffee Hunters. A programação começa cedo: às 8h, os turistas já estão na lavoura da Fazenda Sertão, em Carmo de Minas. Visita à torrefação para acompanhar o processo de torra, e degustação de vários perfis de cafés especiais acompanhados de quitutes mineiros encerram a manhã. Já no final do dia, durante um piquenique ao pôr do sol a 1.400 metros de altitude, os visitantes vão conhecer a história do café e da família, que há quatro gerações produz café. E a turma também terá a chance de colher o café da Fazenda Sertão, também premiado pela Cup of Excellence, desde 2005.
 
Na Rota do Café Especial, em Carmo de Minas, o turista visita as plantações e conhece a história do grão na região(foto: ricardo levenhegen/divulgação)
Na Rota do Café Especial, em Carmo de Minas, o turista visita as plantações e conhece a história do grão na região (foto: ricardo levenhegen/divulgação)
 
 
No dia seguinte, a visita é ao Parque das Águas de São Lourenço. Com 430 mil metros quadrados, o parque tem nove fontes de águas minerais. Ali, os turistas farão um banho de café, com alto poder revigorante e propriedades terapêuticas e medicinais, trazendo benefícios para a saúde. A viagem é ideal para quem quer ver de perto e conhecer o processo do café nas Gerais, do pé até a xícara. O roteiro é oferecido diversas vezes ao longo do ano e custa entre R$ 1.280 e R$ 1.660, dependendo do tipo de hospedagem – quarto duplo ou individual.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade