Publicidade

Estado de Minas GASTRONOMIA

Paladares portugueses são destaques no roteiro gastronômico

Muito além do bacalhau, país é rico em sabores e temperos. Roteiro de 12 dias passa por vinícolas icônicas


postado em 10/03/2020 04:00 / atualizado em 10/03/2020 13:39

Roteiro por Portugal começa em Lisboa, com o melhor da gastronomia lusitana (foto: Carlos Altman/EM/D.A Press )
Roteiro por Portugal começa em Lisboa, com o melhor da gastronomia lusitana (foto: Carlos Altman/EM/D.A Press )

 
Assim como a Itália, Portugal também tem seus encantos culinários a serem explorados. É exatamente o que promete Cristóvão Laruça, dono dos restaurantes Caravela, no Cidade Jardim, e Capitão Leitão, em Santa Tereza. Em junho, de 7 a 19, o chef parte para a terrinha com um grupo de brasileiros. Serão 12 dias de viagem pela parte central do país, com paradas estratégicas por regiões como Alentejo, Dão, Bairrada e Lisboa. “A minha principal missão é mostrar o país como nós, portugueses, o vemos. Fugir do senso comum”, diz Cristóvão, que fez questão de desenvolver um roteiro com visitas estratégicas aos produtores locais. Visitas capazes de fazer o coração de um bom gourmet bater mais forte.
 
Uma dessas paradas é em uma fazenda produtora do famoso queijo da Serra da Estrela, um dos mais antigos de Portugal – há registros que já era fabricado na época do povo romano. E, até hoje, é feito dentro dos princípios dos velhos tempos. A qualidade é tamanha que, em 1995, a União Europeia lhe concedeu a denominação de origem protegida. Feito com leite cru de ovelha da raça bordaleira, o queijo pode ser encontrado em duas texturas: semimole, como uma pasta amanteigada, ou pasta semidura a extradura, conhecido como queijo Serra da Estrela velho.
 
Arquitetura arrojada da vinícola Herdade do Freixo tem como principal objetivo reduzir as variações térmicas(foto: Herdade do Frexo/Divulgação)
Arquitetura arrojada da vinícola Herdade do Freixo tem como principal objetivo reduzir as variações térmicas (foto: Herdade do Frexo/Divulgação)
Outro ponto de parada é a Herdade do Freixo, no Alentejo. Espalhada por 300 hectares, a fazenda conta com vinhas e adega subterrânea, construída a 40 metros abaixo da terra. A arquitetura arrojada tem como principal objetivo reduzir as variações térmicas durante o ano. Com isso, a vinícola consegue manter uma temperatura estável e ideal para a evolução dos vinhos, resultando na preservação do frescor e equilíbrio.
 
Ao todo, serão 10 vinícolas visitadas – com direito a degustação. A agência responsável é a Zênithe Travel Club e as vagas, limitadas. O investimento varia de 3.896 a 4.543 euros, dependendo se a hospedagem é dupla ou single. A passagem é à parte, e custa US$ 880, mais US$ 150 de taxas.
 
Como nem só de vinho se vive nas terras lusitanas, o grupo ainda vai conhecer uma criação do porco alentejano. A carne nobre é conhecida por sua gordura intramuscular, que dá ao corte textura macia e sabor único. Da terra para o mar, a excursão segue para uma fazenda especialista na produção de algas marinhas. “O uso desse insumo na gastronomia é uma tendência mundial. No Brasil, ainda estamos descobrindo esse ingrediente”, explica Cristóvão.
 
E a turma do Laruça pode se preparar e levar uma mala extra. Na pequena vila de Ílhavo, distrito de Aveiro, está localizada a fábrica, o museu e o hotel Vista Alegre. A porcelana foi alçada a lugar de obra de arte graças à centenária marca portuguesa. Inaugurada em 1824, o endereço é uma verdadeira tentação para quem não resiste a um suvenir. Nesse caso, bem diferente dos ímãs ou camisetas cafonas. Trazer para o Brasil porcelanas de uma das grifes mais famosas da Europa é um jeito extraordinário de investir alguns euros. Principalmente para esses turistas, que sabem como poucos o valor de uma mesa bem-posta.
 


Publicidade