Publicidade

Estado de Minas GASTRONOMIA

Bons motivos para devorar a Europa

Região do Piemonte, na Itália, reúne em um só lugar três grandes prazeres: trufa branca, vinhos e avelã


postado em 10/03/2020 04:00 / atualizado em 10/03/2020 13:06

 Comemoração tradicional do festival da trufa do lado de fora do castelo de Grinzane Cavour, em Alba, na Itália (foto: MIGUEL MEDINA/AFP)
Comemoração tradicional do festival da trufa do lado de fora do castelo de Grinzane Cavour, em Alba, na Itália (foto: MIGUEL MEDINA/AFP)

 
Impossível pensar em roteiros gastronômicos sem citar a Itália. Os destinos, no entanto, variam de acordo com a região a ser explorada. Piemonte, onde morou por mais de duas décadas, é o destino escolhido por Matheus Paratella para sua primeira experiência como guia. “Sempre os clientes me pedem dicas e foi então que surgiu a vontade de levá-los para conhecer um pouco do que eu vivi na Itália”, explica. A viagem ainda não está com a data fechada (e, consequentemente, também não foram determinados os valores), mas o chef – responsável pelo D’Agostim di Paratella, restaurante italiano localizado no Santo Agostinho – sabe muito bem o que quer apresentar para seu grupo. Conhecida por ter as melhores trufas do mundo, Alba foi o segundo município italiano a receber o título de cidade criativa da gastronomia pela Unesco.
 
Os terrenos do Piemonte, localizados entre os Alpes e Ligúria, na fronteira com a França e a Suíça, são perfeitos para o nascimento do tartufo bianco, uma das iguarias mais festejadas na gastronomia mundial. Alba, lugar com cerca de 30 mil habitantes, é o centro de tudo. Detalhe: esse tipo de trufa só nasce ali. Sua tonalidade e aroma variam de acordo com a terra e a vegetação que o circundam. O carvalho, por exemplo, garante um sabor e um perfume intenso à túbera. “A rota turística do brasileiro na Itália é quase sempre a mesma e a minha ideia é fugir do comum. Fazer com que os turistas vivam de perto a tradição”, diz Matheus. Além de caçar trufas na companhia de cães treinados, o grupo também vai passear pela Fiera Internazionale del Tartudo d’Alba e degustar in loco essas joias da natureza.
 
No jantar no Osteria La Madernassa, com duas estrelas Michelin, o visitante aprecia sabores da região italiana(foto: MIGUEL MEDINA/AFP)
No jantar no Osteria La Madernassa, com duas estrelas Michelin, o visitante aprecia sabores da região italiana (foto: MIGUEL MEDINA/AFP)
 
 
A região produz também outra raridade, as “nocciole”, avelãs do tipo tonda, base da Nutella, famoso creme de cacau e avelã. Por ali, os turistas vão provar o bonèt, doce à base de amaretti, chocolate, ovos, leite, café e rum. Um clássico. Jantar no Osteria La Madernassa (duas estrelas Michelin) e no Ristorante Due Lanterne, que serve a mais autêntica comida piamontesa, estão no roteiro. Ambos já tiveram Paratella em suas cozinhas. E para completar o tour gastronômico perfeito, é bom lembrar que saem dali alguns dos vinhos mais extraordinários da Itália: o Barolo e o Barbaresco. Ou seja, vinho, trufa branca e avelã no mesmo lugar não tem como ser ruim.


Publicidade