Publicidade

Estado de Minas SANTUÁRIO DO CARAÇA

Santuário do Caraça: conheça a Porta do Céu e do sossego

Localizado a 120 quilômetros de Belo Horizonte, o parque mineiro oferece aos visitantes sossego e paz em contato com a natureza exuberante


postado em 28/01/2020 04:00 / atualizado em 28/01/2020 13:56

O Parque do Caraça recebeu esse nome por conta da formação rochosa em formato de rosto. Aventurar-se nas trilhas é o ponto forte do passeio ecológico no lugar(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
O Parque do Caraça recebeu esse nome por conta da formação rochosa em formato de rosto. Aventurar-se nas trilhas é o ponto forte do passeio ecológico no lugar (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)

 
Situado na Serra do Espinhaço, entre os municípios de Catas Altas e Santa Bárbara, o Parque Natural da Serra do Caraça abrange área com mais de 11 mil hectares e se encontra em uma zona de transição entre a mata atlântica e o cerrado. Além da "caraça", a fabulosa formação rochosa que dá nome ao local, os picos são as grandes referências no cenário do parque, com altitudes que variam de 1.200 a 2.080 metros.
 
Tradição com mais de 30 anos, a possibilidade de alimentar lobos-guarás é um dos atrativos noturnos no santuário (foto: Padre Lauro Palu/Divulgacão )
Tradição com mais de 30 anos, a possibilidade de alimentar lobos-guarás é um dos atrativos noturnos no santuário (foto: Padre Lauro Palu/Divulgacão )
Ao chegar ao Parque Natural do Caraça, o visitante encontra no caminho várias placas. Uma resume o que estará porvir: “Você está chegando ao paraíso”. Sim, para fugir do agito que é o carnaval, chega-se à Porta do Céu, como é o conhecido o santuário mineiro. Nesse local, encontram-se belas cachoeiras, cascatas, picos, cavernas e uma rica fauna e flora. 
 
Para se conectar à natureza, é preciso aventurar-se em excelentes opções de passeios, como as diversas trilhas – das mais fáceis, para os que não estão acostumados a caminhadas, às mais radicais, para os que não dispensam uma boa adrenalina. A mais difícil leva ao Pico do Inficionado (2.032m) e à gruta do Centenário, uma das maiores grutas de quartzito do mundo, com 400m de profundidade e curso d'água com 80m de desnível.
 
O refúgio ecológico também abriga espécies animais raras, como o sauá, a onça-parda, o quati, esquilos e o habitante mais famoso, o lobo-guará, símbolo do parque. Para aqueles que passam a noite no Caraça, uma das principais atrações é aguardar a chegada dos lobos-guarás, que se aproximam do santuário e comem nas mãos de um dos padres da Província.
 
As matas abrigam lindas bromélias e mais de 200 espécies de orquídeas. Por estar em uma área de transição, o parque tem uma vegetação rica, com grande variedade de flores. Estas atraem várias espécies de beija-flor, entre eles o beija-flor-de-gravatinha, um dos menores do mundo. É um local reconhecido internacionalmente como um dos melhores no Brasil para a observação de pássaros.

 
Conexão com o divino 

 

Com a igreja neogótica ao centro, a pousada do Caraça, com seus 41 aposentos, é a lembrança de que o local abrigou um antigo seminário(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
Com a igreja neogótica ao centro, a pousada do Caraça, com seus 41 aposentos, é a lembrança de que o local abrigou um antigo seminário (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)

Fundado em 1774 para ser uma casa de hospedagem para a acolhida de peregrinos e visitantes, que quisessem, principalmente, se converter e mudar os rumos de sua vida, o Santuário do Caraça foi novamente reativado como pousada a partir da década de 1970, depois de 150 anos dedicados à educação e à formação intelectual de meninos e de seminaristas. Os imperadores Pedro I e Pedro II estiveram lá. No seu passeio pelo local, dom Pedro II escreveu: “Só a visita ao Caraça vale a viagem a Minas”.
 
A pousada tem 41 apartamentos e oito quartos com banheiros externos, além de algumas casas, com acomodações mais simples, para a hospedagem de até 200 pessoas. Suas diárias são com pensão completa, isto é, com direito a café da manhã, almoço e jantar, além da entrada na reserva natural.
 

 
Imperador dom Pedro II foi um dos visitantes dos jardins do Caraça (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
Imperador dom Pedro II foi um dos visitantes dos jardins do Caraça (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
O santuário pertence à Província Brasileira da Congregação da Missão e passou a ser uma reserva particular do patrimônio natural em 1994, consolidando sua vocação religiosa e ecológica. O Colégio do Caraça formou, durante seus 150 anos de existência, grandes nomes da elite mineira, inclusive homens que vieram a ser presidentes da República e governadores, entre eles, Afonso Pena e Artur Bernardes. 
 
Em 1968, um incêndio queimou cerca de 10 mil dos 25 mil volumes da biblioteca do colégio. Com o incêndio, o colégio foi fechado. Mais tarde, o prédio foi restaurado e a melhor alternativa encontrada foi aproveitar o patrimônio natural, histórico e cultural, abrindo a área para visitação pública.
 
Vitrais franceses que adornam a capela oferecem beleza e paz (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
Vitrais franceses que adornam a capela oferecem beleza e paz (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)

 O complexo do Caraça, abriga a primeira igreja do Brasil em estilo neogótico. Importantes peças históricas podem ser apreciadas, tais como os vitrais franceses doados por dom Pedro II. A relíquia do mártir São Pio, intacta há 200 anos, guardada no Santuário Nossa Senhora Mãe dos Homens, e um órgão com 700 tubos completam sua riqueza.
 

Serviço


Devido à instabilidade da rede de telefonia fixa e móvel, os administradores pedem aos viistantes para não contar somente com o cartão de crédito/débito como forma de pagamento. Como alternativa, leve dinheiro para pagamento. Reserva e hospedagem:  
(31) 3942-1656 (fixo), (31) 98978-3179 
e  (31) 98978-3180 

centraldereservas@santuariodocaraca.com.br  

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade