Publicidade

Estado de Minas PARQUE DAS AVES

Paraíso dos céus às águas

Parque em Foz do Iguaçu desenvolve trabalho exemplar de conservação do bioma mais ameaçado do Brasil. Pouco conhecido dos turistas, é boa opção de passeio


postado em 26/11/2019 04:00 / atualizado em 23/11/2019 14:01

Erika Manhatys*
 
 

Muitos concordarão que não há melodia mais relaxante e agradável que o sonoro canto de um pássaro. Agora, imagine estar em um recanto onde existam mais de 1,4 mil aves das mais diversas cores, imersas na imensidão verde de mata atlântica nativa e conservada. Um deleite aos olhos, ouvidos e à alma, todos os cinco sentidos despertados e em sintonia com a natureza. Esse é o panorama encontrado no Parque das Aves, em Foz do Iguaçu.
 
Para além de belo, o parque tem uma missão, a de acolher animais resgatados e garantir a sobrevivência de muitas espécies em extinção. A história do Parque das Aves teve início na Namíbia, quando os idealizadores Anna-Sophie Helene e o marido, Dennis Croukamp, se conhece- ram. Nos anos 1980, o casal ganhou um filhote de papagaio-do-congo, que logo se tornou uma paixão e o precursor das milhares de aves que entrariam na vida da família Croukamp.
 
Na década seguinte, Anna e Denis compraram os 16 hectares de mata ao lado do Parque Nacional do Iguaçu. Ainda vivendo na Ilha de Man, no Reino Unido, eles dividiam o tempo entre casa e filhas e a construção do parque, que lhes custara todas as economias. Dado o esforço, o pedacinho de paraíso recebeu incentivos de diversas pessoas que se juntaram à causa e, em apenas 11 meses, estava aberto ao público. As primeiras aves habitantes foram doadas de outros zoológicos e encaminhadas ao local a partir de apreensões do Ibama.
 
A dedicação dos Croukamp e de seus colaboradores fez do Parque das Aves o segundo maior atrativo da região, perdendo apenas para as cataratas. Além da preservação dos pássaros com maior risco de extinção, que são aqueles originários da mata atlântica, outras espécies de animais também recebem abrigo. Há na propriedade um lindo borboletário, fundado por John Leggatt, amigo da família Croukamp, que se mudou para o Brasil a convite do casal e ficou responsável pela criação e cuidados do que, hoje, refugia mais de 30 espécies de borboletas e seis de beija-flores. Um cantinho encantado e multicolorido, seja pelas asas das borboletas seja pelas flores que crescem em seu interior.

VISITAÇÃO Bem movimentado, o parque recebe anualmente mais de 800 mil visitantes. Muitos aproveitam a proximidade das cataratas e resolvem dar um pulinho para conhecer esse tesouro encravado na mata atlântica. Assim como fez a administradora Larissa Rocha. “O parque tem uma estrutura muito boa, é organizado e muito limpo. Acho que é um passeio muito legal para a família, para quem viaja com crianças principalmente. Eu vi muitas pessoas mais velhas e também bastantes estrangeiros, o que é muito interessante, pois é um excelente modo de apresentar nossa fauna e flora ao mundo”, diz.
 
A trilha leva cerca de duas horas para ser completada. Entretanto, a administradora considera que o visitante deva dedicar um tempo maior para aproveitar bem todas as paisagens. “Fiz o percurso dentro do estipulado, mas creio que a experiência seria melhor desfrutada se tivesse reservado metade de um período, ou manhã ou tarde. Acho que assim teria prestado mais atenção às histórias de cada espécie e poderia ter contemplado melhor todo aquele ambiente”, comenta Larissa.
 
O trajeto dispõe de quatro viveiros de imersão, com aves e alguns répteis, que dividem o pequeno paraíso dos pássaros. “Enquanto observamos os viveiros, há funcionários ao longo de todo o caminho orientando e explicando sobre cada animal. Achei que os bichos são muito bem tratados, mas alguns espaços me incomodaram pelo tamanho. Não sou especialista, mas pelo senso crítico e sabendo que na natureza eles têm um espaço bem maior, acho que alguns viveiros poderiam ser ampliados. De toda forma, vi que recebem muitos cuidados”, opina Larissa Rocha.

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade