Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. ASSINE AGORA >>

Publicidade

Estado de Minas SERRA GAÚCHA

Desfrute a Serra Gaúcha muito além das vinhas

A região do Vale dos Vinhedos oferece outros passeios lúdicos. O turista ainda poderá degustar o famoso chimarrão e provar queijo de ovelhas


postado em 19/11/2019 04:00 / atualizado em 25/11/2019 11:38

Passeio de maria-fumaça entre Bento Gonçalves e Carlos Barbosa é uma viagem no tempo. No caminho, o visitante avista as belas paisagens da Serra Gaúcha(foto: Citral Tour/Divulgação)
Passeio de maria-fumaça entre Bento Gonçalves e Carlos Barbosa é uma viagem no tempo. No caminho, o visitante avista as belas paisagens da Serra Gaúcha (foto: Citral Tour/Divulgação)

A ida à Serra Gaúcha gira em torno do vinho, mas está muito além dele. Quem quiser optar por um passeio ainda mais familiar que visitar as vinícolas precisa comprar ingressos para o tour de maria-fumaça. São 23 quilômetros de percurso, com 1h30min de duração, entre os municípios de Bento Gonçalves, Garibaldi e Carlos Barbosa – uma jornada pela tradição e história dos municípios que compõem a região. E, claro: uma recepção regada a vinho. A programação é comandada pela Giodani Turismo.

Quem procura hospedagem de qualidade aliada a atrações precisa comprar diárias na rede de hotéis Dall'Onder. São quatro hotéis na Serra Gaúcha, sendo dois em Bento Gonçalves, um em Caxias e outro em Garibaldi. Além do conforto oferecido pelos quartos e um café da manhã com enorme variedade – acompanhado de produtos típicos da região, como iogurtes feitos à base de leite de ovelha – a rede Dall'Onder administra os Caminhos de Pedra – uma série de estabelecimentos com a marca registrada do estado sulino.

Lá, visitei as casas dos queijos, da erva-mate, da tecelagem e da ovelha, cada uma com sua peculiaridade. Essa última enche o coração dos turistas de emoção, além de ser uma oportunidade incrível para as crianças. Na Casa da Ovelha, os pequenos podem interagir com os caprinos, alimentando-os e brincando com eles. Há, ainda, um show voltado ao pastoreio, que emociona quem ama os animais: um tutor do estabelecimento mostra ao público como os cães da raça Border Collie guiam as ovelhas e mostra como o respeito entre os animais é uma aula para o ser humano.

A rede Dall'Onder também oferece o cicloturismo. Nessa programação, o viajante opta por uma atração mais radical e aluga bicicletas para conhecer Bento Gonçalves de outra maneira. São três modalidades, que variam entre percursos mais curtos e mais longos. Há diversas opções de passeios, passando pelos vales dos Vinhedos e do Rio das Antas e também pelos Caminhos de Pedra.

Quanto à gastronomia, o turista não pode deixar de se deliciar com os galetos irresistíveis oferecidos pela Casa di Paolo. O restaurante de cozinha típica da imigração italiana tem vários estabelecimentos na Serra Gaúcha e pode ser encontrado facilmente na região. Há, ainda, como toda comida italiana, opções de massas, molhos e pães.

Na Casa da Ovelha, no Caminho de Pedras, cão da raça Border Collie guia as ovelhas no show de pastoreio apresentado aos visitantes (foto: Carlos Altman/Divulgação)
Na Casa da Ovelha, no Caminho de Pedras, cão da raça Border Collie guia as ovelhas no show de pastoreio apresentado aos visitantes (foto: Carlos Altman/Divulgação)


UÍSQUE PRESTIGIADO 

A experiência na Serra Gaúcha não se limita apenas ao vinho. Em Veranópolis, o turista precisa dar uma passadinha na destilaria Union, nem que seja por curiosidade. O processo de produção do uísque, ainda pouco consumido no Brasil em relação a países onde o frio aperta bem mais, é encantador. Para quem gosta de uma cervejinha gelada, a surpresa é grande. Isso porque as duas bebidas estão separadas por poucos detalhes, ou seja, têm “receitas” bem parecidas.

A marca foi fundada em 1948, mas em 1972 os donos atuais a compraram e trataram de convertê-la em destilaria. A produção é 100% nacional, o que traz desafios, já que o público consumidor no país ainda é restrito. Para se ter uma ideia, a legislação permite a produção de uísques entre 38% e 54% de álcool, mas a empresa nem sequer chega próximo ao limite máximo, justamente para ter profundidade no mercado. As visitas são no período da tarde, entre segunda e sábado, e custam R$ 40. Além de poder conhecer um pouco mais sobre a bebida, o turista leva um copo exclusivo para casa.

* O repórter viajou a convite da Conceitocom Brasil

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade