Publicidade

Estado de Minas

Coração de ferro cercado pela Mata Atlântica

Nove cidades do Vale do Aço ganham visibilidade por conta do ecoturismo na re


postado em 05/11/2019 04:00

Felipe Machado/Divulgação
Turismo de experiências: visitante acompanha a produção de rapaduras na Fazenda Vovô Teixeira (foto: Felipe Machado/Divulgação)
 
Imaginar que um dos maiores parques industriais da siderurgia na América Latina está rodeada de atrações turísticas é quase um desafio para o cérebro. Porém, a região mineira do Vale do Aço, que já se chamou Vale Verde, está na roteiro Circuito Turístico Mata Atlântica de Minas (CTMAM) – que envolve os municípios de Açucena, Belo Oriente, Coronel Fabriciano, Dionísio, Ipatinga, Marliéria, Santana do Paraíso, São Domingos do Prata e Timóteo, na região central de Minas Gerais.
 
Criado em 17 de julho de 2001, o Circuito Turístico Mata Atlântica de Minas tem como propósito de fortalecer o turismo de eventos e o ecoturismo nas cidades o qual integra, que a princípio têm, além de um considerável valor histórico, grandes reservas nativas de Mata Atlântica. Dentre os atrativos que estão situados em sua área de abrangência, destacam-se a Serra dos Cocais e o Parque Estadual do Rio Doce.
 
Os visitantes podem se deliciar com as belezas naturais da Mata Atlântica, cachoeiras, rios e lagos dos circuitos Pico da Bandeira e Rota do Muriqui, o projeto Sabores & Natureza, além de inúmeros festivais e eventos da região. Em breve, estará disponível uma rota turística ligando o Parque Estadual do Rio Doce ao Parque Nacional do Caparaó, passando pela Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN/Feliciano Miguel Abdala, em Caratinga.
 
Felipe Machado/Divulgação
(foto: Felipe Machado/Divulgação )
 
 
Uma boa opção de passeio é a Rota do Mutum. Em um percurso de aproximadamente 20 quilômetros pela zona rural de Ipaba, (vizinha a cidade de Ipatinga) os turistas poderão conhecer o trabalho de reintrodução da ave Mutum na natureza, por meio do trabalho científico promovido pela Cenibra, na Fazenda Macedônia, além de curtir a natureza exuberante e conhecer a produção familiar de produtos típicos mineiros. Segundo a agente de turismo Ana Cleide: “Quem for, poderá ver de perto como é a lida diária no campo, o plantio de eucalíptos, a cultura popular, a gastronomia tão especial, tendo oportunidades para vivenciar, participar e conhecer um pedacinho especial de nossa região”, comentou.
 
Uma outra dica na região, é visitar a família de Kalel Martins, do Produtos Pepitas. Lá é produzido molhos para carnes de pimenta e geleias artesanais a base de morango, abacaxi e outros sabores. São dez produtos catalogados e são facilmente encontrados nos supermercados e comércio das cidades do Vale do Aço.
 
Outro roteiro imperdível é a Caminhada Rural Outeiros de Minas. Os participantes são recebidos na comunidade rural com um típico café da manhã. Em seguida, são conduzidos pelas estradas e trilhas da região, onde os turistas são motivados a experimentar vivências peculiares em contato com a Mata Atlântica. Ao retornarem, os participantes se deliciam com pratos da culinária local que compõem o almoço na roça. As vivências rurais são realizadas no Sítio Recanto Vovô Teixeira. Na casa-sede – que mantém suas características originais como por exemplo a propulsão hidráulica que movimenta o engenho e moinho–, os visitantes também poderão participar da fabricação de rapadura e açúcar mascavo.
 
Por fim, uma visita ao Ateliê Feito a Mão, que tem como proposta ofertar oficinas de artesanato trabalhando com a técnica do mosaico. Além os cursos, o turista encontra deliciosas geleias, licores e um delicioso café rural.


Publicidade