Publicidade

Estado de Minas

Caminho do ouro

Vizinha à capital mineira, Sabará celebrou na semana passada 308 anos de história. Cidade charmosa guarda registros do Brasil imperial


postado em 23/07/2019 04:09

Igreja Nossa Senhora do Carmo, uma das relíquias do Barroco mineiro(foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)
Igreja Nossa Senhora do Carmo, uma das relíquias do Barroco mineiro (foto: Beto Novaes/EM/D.A Press)


Sabará é, sem dúvidas, um museu a céu aberto. A história e cultura do estado mesclam com a simpatia e sorriso do povo sabarense. Na semana passada, dia 17, a cidade histórica mineira celebrou 308 anos, em meio a casarões, igrejas, construções e caminhos de valor inestimável para a história da formação do que conhecemos do Brasil hoje. A antiga Sabarabuçu foi importante povoado mineiro que impulsionou a corrida do ouro em Minas Gerais e se tornou a maior comarca do Brasil colonial. Sua jurisdição alcançava os limites de Goiás, Pernambuco e Bahia. Tamanha força econômica, devida à extração do ouro, a cidade foi centro comercial estratégico, diretamente ligado à Estrada Real.
 
No Centro Histórico está a maioria dos atrativos históricos e arquitetônicos. Igrejas do século 18 narram a tradição das riquezas sabarenses. Destaques para o Teatro Municipal, que é o segundo teatro mais antigo do Brasil, o chafariz do Kaquende, o Museu do Ouro e a antiga cadeia da cidade. As ruas de pedra contam histórias pelos morros e ladeiras da cidade.
 
Em relação à gastronomia, a cidade não perde em nada e vá de barriga vazia para se deliciar com os restaurantes locais. Conhecida internacionalmente pelo Festival da Jabuticaba, o circuito gastronômico atrai centenas de turistas todos os anos. A festividade proporciona ao visitante apreciar diversos pratos, bebidas e geleias feitos à base de jabuticaba. A relação da cidade com a fruta é tão grande que há uma espécie com o nome do município. Por sua vez, os moradores que têm uma jabuticabeira no quintal ganham desconto no pagamento de IPTU. Sabará também abriga o Festival do Ora-pro-nóbis, que oferece ao visitante diversos pratos feitos à base da iguaria, além de produtos artesanais.
 
O ecoturismo vem sendo um novo segmento muito praticado por quem gosta de aventura em meio às matas, trilhas, rios e cachoeiras, no Arraial Velho e em Pompéu, pequenos vilarejos do município. 

* Estágiario sob a supervisão do 
subeditor Carlos Altman
 
 
 

Compartilhe no Facebook
*Apenas para assinantes do Estado de Minas

Publicidade