Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Vem pra Minas, uai!


postado em 11/06/2019 04:10

Em estilo neoclássico, Balneário Hidroterápico de Caxambu é um dos lugares preferidos dos turistas que visitam o Circuito das Águas(foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)
Em estilo neoclássico, Balneário Hidroterápico de Caxambu é um dos lugares preferidos dos turistas que visitam o Circuito das Águas (foto: Marcos Michelin/EM/D.A Press)

 

 

Com as férias do meio ano batendo à porta, chegou a hora de decidir o destino. De acordo com pesquisa divulgada por uma plataforma de busca de hospedagem, foi constatado que quase oito, em cada 10 viajantes, farão viagens dentro do Brasil. E um quarto não deve sair do próprio estado. Pensando nisso, criamos um roteiro para desbravar Minas Gerais em família com direito a passeio de balão, piscinas térmicas e grutas

 

 

Férias com jeito mineiro

 

Em tempos de grana curta e pouco tempo para curtir as férias do  meio ano,  explorar Minas Gerais é uma agradável surpresa. Paisagens ricas em diversidade encantam os visitantes

 


A temporada oficial do inverno no país está batendo à porta e com ela chegam também as férias escolares do meio do ano. Mas isso não parece apressar os brasileiros que pensam em viajar. Segundo pesquisa da plataforma de viagens Booking.com, quase metade dos brasileiros (44%) ainda não pensou ou planejou suas viagens para o período. Nos dados da pesquisa foi constatado que quase oito em cada 10 viajantes (78%) farão viagens dentro do Brasil. Desses, um quarto (24%) vai ficar no próprio estado de origem.


“Minas são muitas. Porém, poucos são aqueles que conhecem as mil faces das Gerais.” A frase do escritor Guimarães Rosa mostra a peculiaridade do estado com seus 853 municípios. No vasto mundo grande, com mais de 586 mil quilômetros quadrados – Minas Gerais é maior que muitos países na Europa e na Ásia–, encontram-se paisagens de extrema beleza. Um estado onde se destacam montanhas cobertas pela mata atlântica à vegetação do cerrado. De cachoeiras geladas aos lagos gigantes. E entre os vales rochosos, surgem rios caudalosos que serpenteiam cidades como veias e artérias que alimentam os ribeirinhos com uma variedade de peixes. Minas, berço da história e memória viva do Brasil colonial, é terra dos inconfidentes, dos artistas, dos poetas e trovadores. Minas é terra de gente simples e religiosa, que sabe receber de braços abertos, os visitantes que vêm de fora. E o maior orgulho desse povo é dizer: sou Minas, uai!


E para curtir as férias agora no meio do ano com a família,  nada melhor do que explorar o que Minas Gerais tem de melhor. No Circuito das Águas, sugerimos visitar as piscinas termais em Caxambu, Poços de Caldas e São Lourenço. Com a chegada do inverno, prepare o agasalho, toucas, botas e cachecóis e encare uma gelada em Maria da Fé e São Tomé das Letras – cidades que bateram recordes de baixas temperaturas nos últimos dias. E, por fim, que tal fazer uma expedição pelo Circuito das Grutas?

 

 

Por conta das águas

 

 

No alto da Serra da Mantiqueira, no Sul de Minas, o Circuito das Águas é famoso por suas estâncias hidrominerais com propriedades medicinais e terapêuticas

 

Estrategicamente localizado entre São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, o Circuito Turístico das Águas é formado pelas cidades de São Lourenço, Caxambu, Baependi, Cambuquira, Campanha, Carmo de Minas, Conceição do Rio Verde, Heliodora, Lambari e Soledade de Minas. As estâncias hidrominerais encontradas nesses municípios são famosas por sua biodiversidade. Com a chegada do inverno, o clima fica ainda mais agradável para os visitantes que buscam na região o prazer de apreciar a riqueza natural – que transmite tranquilidade e paz ao redor.

 

Uma das principais cidades do Circuito das Águas, Caxambu, no Sul do estado, é importante estância hidromineral. Tem a maior concentração de águas carbogasosas do planeta, com 12 fontes de diferentes composições químicas, entre elas águas minerais com alto poder diurético e desintoxicante, que atraem turistas de todas as partes, durante todo o ano. As fontes estão concentradas no Parque das Águas Dr. Lisandro Carneiro Guimarães. Localizada na Serra da Mantiqueira, a cidade também oferece, além das belezas naturais, atividades como passeios de bicicleta, cavalo e trilhas ecológicas. Durante os fins de semana de julho ocorre também o Festival de Inverno de Caxambu, com atrações musicais e mostra de orquídeas. Também dá para aproveitar produtos locais, como doce de leite, ambrosia, geleias e queijos.


Com o clima frio, que tal aproveitar algumas fontes naturais de águas quentes e sulfurosas em Poços de Caldas? Um dos grandes motivos de orgulho da cidade, elas são conhecidas pelas características terapêuticas, atraindo turistas de todas as partes há muito tempo. São diversas minas, de onde brota esse precioso líquido, que deu fama à cidade e a firmou no circuito de turismo medicinal. Um exemplo é o Balneário Dr. Mário Mourão, com banhos de imersão que são realizados em cabines individuais na água que sai diretamente da fonte a uma temperatura de 41°C. E o inverno é uma das temporadas mais movimentadas em Poços. Aproveite também e conheça os produtos artesanais da região, como os típicos doces artesanais e peças de decoração em vidro fundido

 

Trem bão demais

 

São Lourenço é outro destino perfeito para a família aproveitar a região. Com Caxambu formam as cidades-pólos do Circuito das Águas. O município, localizado a 400 quilômetros da capital mineira, é famoso por suas águas cristalinas. Por toda a cidade, é possível encontrar lagos e cachoeiras de tirar o fôlego, além de uma excelente infraestrutura, equipada com hotéis e pousadas para todos os gostos e bolsos. O clima na cidade costuma ser agradável durante todo o ano, mas a temperatura pode chegar abaixo de zero no inverno.


O Parque das Águas é a maior atração turística da cidade. Com mais de 430 mil metros quadrados, o parque se divide em dois, sendo a primeira parte a mais atrativa, com balneário, lindos jardins e alamedas encantadoras. A segunda parte, denominada Parque II ou Área Nova, é voltada para a prática de esportes, além de pistas exclusivas para ciclistas.
Outra atração que encanta é o passeio de balão. Realizado por duas empresas, os voos ocorrem de sexta a domingo, começando bem cedo, ao nascer do sol. O balão chega a uma altura de 500 metros e o passeio dura em média uma hora, ao preço de R$ 400 por pessoa.


Nomeado Trem das Águas, o passeio de maria-fumaça é tradicional na cidade. O trem parte da Estação Central de São Lourenço rumo a Soledade de Minas, cidade que fica a 10 quilômetros. O passeio dura em média duas horas e o tempo de deslocamento entre as duas localidades é de 30 minutos. Funciona em fins de semana, na alta temporada de férias e feriados. Como não poderia faltar, a lista inclui os tradicionais doces mineiros. O carro-chefe é o doce de leite, seja em pasta, tabletes, zero açúcar ou zero lactose. O café também está incluso na lista. A Rota do Café Especial é um passeio guiado à Fazenda Centenária, que mostra todo o processo de produção do grão, da plantação até a hora de servi-lo. O preço do passeio é de R$ 80 por adulto e R$ 50 para crianças abaixo de 12 anos. A duração é de 3h30min e tem como empresa responsável a Unique Café. A Rota do Café ocorre de quinta a sábado, e nos feriados, a partir das 9h, saindo da Unique Store, no calçadão da cidade.

 

 

Paraísos gelados

 

 

Cidades localizadas na Serra da Mantiqueira são destinos perfeitos para amantes do frio, da boa gastronomia e do contato com a natureza

 

Carlos Altman
José Alberto Rodrigues*

Na semana passada quando as temperaturas despencaram em Minas Gerais, em Maria em Fé, a geada tingiu de branco os campos, árvores, praças e telhados das cidades. Na cidade conhecida como a mais fria de Minas,  os termômetros chegaram a 1,6°C . Localizada na Serra da Mantiqueira, a 467 quilômetros de Belo Horizonte, a pequena cidade, de 15 mil habitantes, está a 1,2 mil metros de altitude. Além do frio, a cidade tem orgulho de ostentar o título de capital do azeite de Minas. Por conta do frio e da iguaria, a cidade é forte no turismo nesta época do ano, além de oferecer passeios a cavalo e uma deliciosa comida mineira feita no fogão a lenha.
A fazenda da Epamig (Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais) cultiva a produção de oliveiras (uma das maiores do Brasil) e ervas medicinais, além de  um maravilhoso santuário de bromélias. O Centro Cultural, localizado na antiga estação, conserva registros fotográficos e documentais da história do município, além de uma locomotiva Raldwin 225 de 1918, que está desativada. Maria da Fé ainda conta com um exuberante cenário natural, recheado de maravilhosas cachoeiras e propício a quem busca tranquilidade.
Vale uma vista ao mirante natural da cidade que proporciona uma contemplação única através de sua vista panorâmica. O município ainda se orgulha de apresentar a Oficina Gente de Fibra, que é um projeto artesanal local que produz os famosos artigos à base da fibra da banana.

Misticismo nas alturas E por falar em frio cortante, São Tomé das Letras é outro destino para os amantes do clima de montanhas. Envolta em mistérios e paisagens deslumbrantes, São Tomé das Letras é um achado para aqueles que buscam aventuras e experiências pra lá de inusitadas.


      Localizado no Sul de Minas, a 309 quilômetros de Belo Horizonte, o município apresenta diversas cachoeiras, grutas e bosques. Mas é o lado místico e esotérico que atrai a curiosidade de muitos turistas. É conhecido por lendas sobre extraterrestres, curandeiros, civilizações intraterrestres e duendes. Além disso, há quem diga que em São Tomé das Letras exista uma gruta que leva até Machu Picchu, a cidade perdida dos incas, no Peru.


O Parque Municipal Antônio Rosa é, sem dúvida, o local mais visitado em São Thomé, já que ele tem os principais e mais famosos atrativos da região, como o Cruzeiro, a Toca da Bruxa e a Casa da Pirâmide. A Toca da Bruxa tem formação rochosa que remete ao rosto e à silhueta de uma bruxa. A excentricidade do nome e as histórias do local atraem centenas de pessoas. Os visitantes são informados para ter cuidado ao ficar sobre a pedra, porque o vento sopra com força e a “bruxa oculta” pode derrubá-lo.


A Casa da Pirâmide, um dos cartões-postais da cidade, é uma construção de forma piramidal com várias janelas que proporcionam acesso a diversas constelações. Além disso, proporciona vistas maravilhosas e panorâmicas da região montanhosa, o que a torna lugar perfeito para relaxar e apreciar o nascer ou o pôr do sol.
O Mirante, situado no Parque Municipal, está no meio de belezas naturais. Do local, é possível ter visão em 360 graus de São Thomé das Letras e dos arredores. Ideal para pessoas que procuram paz e harmonia com os reinos da natureza. Além de, quem sabe, ficar à espera de visitantes de outro planeta.

* Estagiário sob a supervisão
do subeditor Carlos Altman

 

 

 

Nas profundezas da terra

 

 

Bem próximo de BH, Circuito das Grutasem Lagoa Santa, Sete Lagoas e Cordisburgo, promove o contato com o estudo da espeleologia
 

 

A Rota Peter Lund é uma ótima dica para os apreciadores de história, espeleologia e da natureza. Alusiva ao naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund, que realizou seu trabalho em Minas Gerais na primeira metade do século 19,  ela se estende pelo Parque Estadual do Sumidouro e pelos Monumentos Naturais Gruta Rei do Mato e Peter Lund.  O  projeto  visa promover o desenvolvimento regional por meio do turismo, com a estruturação desta rota dos locais por onde o pesquisador passou em suas pesquisas: Lagoa Santa, Pedro Leopoldo, Sete Lagoas e Cordisburgo.


A Gruta da Lapinha, em Lagoa Santa, surpreende os visitantes com suas rochas calcárias formadas pelos restos marinhos do fundo do mar raso da bacia do Rio das Velhas.  Eleita como uma das sete maravilhas da Estrada Real, a gruta tem 511 metros de extensão, um sistema de iluminação artificial e um conjunto de cortinas calcárias denominado candelabros. Entre os diversos salões que compõem a gruta, oito são visitados e recebem os nomes relacionados às características dos espeleotemas que se formam em diferentes partes da gruta, como couve-flor, cascata, cortina e pirâmides . Foi descoberta por volta de 1835 pelo pesquisador Peter Lund.


Restos que foram acumulados em camadas superpostas e trabalhados pela erosão provocada pelas correntes marinhas e aéreas. Hoje, nos seus 511 metros de extensão e 40  de profundidade, podemos observar formas surpreendentes, originadas das formações de espeleotema.


Já a Gruta Rei do Mato, em Sete Lagoas, é uma das 50 maiores cavernas de Minas Gerais, de acordo com a Sociedade Brasileira de Espeleologia. Com 998 metros de extensão,  220  estão abertos à visitação pública. São quatro salões com pinturas rupestres de aproximadamente 6 mil anos. As formações calcárias da caverna são raras no mundo. Lá, além das pinturas, foram encontradas ferramentas indígenas petrificadas. Uma curiosidade: os especialistas consideram a Rei do Mato uma gruta “viva”, pois está em contínuo processo de formação, devido à ação da água.


Por fim,  a Gruta de Maquiné, no Monumento Natural Peter Lund, fica no município de Cordisburgo, terra do escritor Guimarães Rosa (1908-1967). A caverna de 650 metros de extensão é composta por sete salões. Um túnel eletrônico leva o visitante a modernos painéis, vídeos e instalações interativas com curiosidades sobre o local. Réplicas de fósseis e de ossadas de animais podem ser encontradas. Em Cordisburgo, também é possível visitar o Museu Casa Guimarães Rosa.

Não deixe de ver  Museu de Ciências Naturais da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), em Belo Horizonte, abriga um importante acervo de zoologia, com uma coleção de paleontologia e coleções de vertebrados da fauna atual que contemplam anfíbios, répteis, aves e mamíferos. O museu é parte do projeto Rota das Grutas de Peter Lund, que promove o turismo pelos locais por onde passou o naturalista dinamarquês Peter Wilhelm Lund.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


Publicidade