Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Ilhas da Fantasia

Taiti, Bora-Bora e Moorea têm diversas curiosidades e roteiros essenciais para os viajantes. Em todas elas, o contato com a natureza é obrigatório


postado em 05/02/2019 05:02

Constituída por atividade vulcânica, a ilha do Taiti é cercada por recifes e corais(foto: Gregory Boissy/AFP )
Constituída por atividade vulcânica, a ilha do Taiti é cercada por recifes e corais (foto: Gregory Boissy/AFP )




Taiti

A maior ilha da Polinésia Francesa, localizada no arquipélago de Sociedade e onde se situa a capital, Papeete. Estima-se uma população de 186,9 mil habitantes. A ilha é porta de entrada no paraíso, pois é centro de desembarque internacional de todos os voos, por isso, é comum que os turistas passem ao menos um dia de viagem ali.

A comunidade herdou a cultura de seus ancestrais maoris, um mundo que tinha a junção de vidas dos deuses, guerreiros e dos homens em lendas coloridas. Na história, o arremesso de lanças era um tipo de esporte dos deuses, o surfe acompanhado por reis, e corridas de canos e levantamento de pedras disputados por homens como uma forma de demonstração de força.

Constituída por atividade vulcânica, é cercada por recifes e corais, com interior montanhoso. O Monte Orohena é o pico mais alto, com 2.241m de altitude. Com ares de grandes metrópoles, a ilha concentra lojas, mercados e vida noturna. Além disso, é conhecida por grandes surfistas por ter uma das ondas surfáveis mais temidas do mundo: a Teahupo’o, que sedia uma das etapas do circuito mundial de surfe, o WCT (World Surf League).

No período de 1890, o pintor francês do pós-impressionismo Paul Gauguin viveu durante alguns anos de sua trajetória na ilhota. Lá, produziu centenas de obras, algumas delas sobre indígenas, como o quadro Vahiné no te tiare (A moça com a flor), Mulheres de Taiti e o livro Noa noa. A estada do pintor é motivo de orgulho para os polinésios. Em 2003, o Museu Paul Gauguin foi erguido com um arsenal de todo o seu trabalho artístico, contendo fotos, documentos e reproduções de suas obras. Porém, o local não se encontra aberto ao público.





Bora-Bora
Situada no arquipélago de Sociedade, o roteiro é o preferido dos recém-casados. A ilha é cercada por um mar de tom azul mais forte, que forma uma espécie de barreira natural, represando as águas do oceano. Conhecida como a “Pérola da Polinésia” e considerada a mais bela ilha do Pacífico, fica a 278 quilômetros da Taiti. Como passeios obrigatórios aparecem a Montanha Otemanu — um dos cartões-postais, que pode ser visto de vários pontos — e Matira Beach — que faz parte do elenco de praias mais famosas do mundo. No geral, o lugar conta com boa infraestrutura para os turistas.





Moorea
A ilha vulcânica faz parte do grupo do arquipélago de Sociedade e fica a apenas 17 quilômetros do Taiti. Por causa da semelhança, as duas são denominadas de ilhas irmãs. O lugar guarda uma lenda que conceitua o nome do espaço, que traduz como “lagarto dourado”. A história é que um lagarto dourado partiu com a cauda as duas baías ao norte: Opunohu e Cook ou Paopao. Opunohu foi a baía em que James Cook (explorador, navegador e cartógrafo inglês) ancorou em 1777. Com aproximadamente 16.191 habitantes, a ilha apresenta ainda oito vales que formam uma estrela. Plantações de ananás (abacaxi), abacates e toranjas (a junção de pomelo, laranja-natal, e laranja em uma fruta só) cobrem as áreas montanhosas.


* Estagiárias sob a supervisão do subeditor Leonardo Meireles


Publicidade