Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Valiosa ajuda


postado em 29/01/2019 05:02

Tem gente que odeia viajar em excursão. Para elas, é um martírio só de pensar em ter que seguir um grupo e ficar restrito a um roteiro prédefinido por guias nos locais de destino. Mas, para alguns turistas, estar acompanhado torna a viagem muito mais tranquila. Segundo Ronnie Corrêa, diretor-geral da agência Abreu no Brasil são muitas as vantagens de contratar um profissional de turismo que possa informar sobre a cultura e os monumentos do local visitado. “Em primeiro lugar, o acompanhante, em geral, fala o idioma do viajante e do destino, podendo se comunicar bem com qualquer pessoa durante a viagem”, comenta o executivo. Isso deixa aqueles que não falam inglês, espanhol ou a língua local despreocupados por saber que têm a quem recorrer, se for preciso.


O guia também conhece bem os lugares visitados, suas características, atrações, melhores restaurantes, costumes locais, entre outros. “E isso tem diversos pontos positivos. O mais óbvio é que ele tem informações históricas e culturais sobre as atrações visitadas, o que significa que os passeios vão muito além de ver construções bonitas ou belos quadros”, comenta. Ele explica que cada lugar tem uma história e um contexto, e muitas vezes eles se entrelaçam.


“Por exemplo, Bernini foi um exímio escultor e arquiteto italiano, e suas obras estão espalhadas por Roma. Um guia poderá apontar que foi ele quem projetou a Praça de São Pedro, no Vaticano. Em visita à galeria Borghese, é possível ver pelo menos mais meia dúzia de peças suas, e foi ele também quem criou duas das três fontes na Piazza Navona”, enumera o executivo. “Quem vai sozinho a Roma, a não ser que seja um entusiasta das artes, verá todos esses elementos de forma separada. Um guia poderá conectar tudo isso em um conjunto muito mais interessante”.


Os saberes do guia também são importantes nos momentos livres do roteiro, quando os viajantes podem explorar o que quiserem. Ele pode indicar boas atrações e pequenos tesouros escondidos, bons restaurantes e lojas de presentes, entre outros.“A presença do guia também faz com que os passageiros se sintam mais seguros”, comenta Côrrea. “É reconfortante estar com alguém que fala o idioma do local, conhece os lugares e está acostumado a acompanhar grupos. Caso haja qualquer imprevisto, há alguém que sabe o que fazer”, finaliza.


Publicidade