Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Expoente natural e histórico

Distrito de Itabira, cidade é visitada por suas incríveis cachoeiras, além de ter um pedaço da história de Minas exibida no Museu do Tropeiro


postado em 06/11/2018 05:07

Museu do Tropeiro reúne mais de 400 peças que revelam usos e costumes locais(foto: Roneijober Andrade/Divulgação %u2013 15/1/16 )
Museu do Tropeiro reúne mais de 400 peças que revelam usos e costumes locais (foto: Roneijober Andrade/Divulgação %u2013 15/1/16 )
José Alberto Rodrigues*

A menina dos olhos da cidade de Carlos Drummond de Andrade encanta por sua cordialidade e belezas naturais. O distrito de Ipoema fica a 86 quilômetros de Belo Horizonte e a 40 quilômetros da sede de Itabira por estrada de asfalto. Pertencente ao Circuito do Ouro da Estrada Real e no eixo principal do trecho Caminhos dos Diamantes, entre Ouro Preto e Diamantina, é uma vila bem característica do interior de Minas Gerais, com menos de 3 mil habitantes. Detentora de cachoeiras de respeito e uma mata preservada, o vilarejo é visitado por amantes do ecoturismo e para quem quer relaxar em meio a um povo hospitaleiro.

Ipoema é ligada à história do tropeirismo em Minas. As comitivas que transportavam gado e mercadoria no Brasil colônia, principalmente o transporte de gado da região do Rio Grande do Sul até os mercados de Minas Gerais marcam o povoado. A história rendeu ao distrito um museu totalmente dedicado ao povo tropeiro, localizado na Rua Travessa Professor Manoel Soares, 217.

O acervo tropeiro faz parte da cultura mineira e brasileira, uma referência singular da cultura histórica da região. O museu é uma homenagem à saga tropeira e representa a contribuição do movimento para a expansão da civilização e da construção do país. Contém vários artefatos que contam a história tropeira, com mais de 400 peças que revelam usos e costumes, que vai desde o vestuário típico até instrumentos de trabalho. O espaço oferece diversos eventos, como a tradicional Roda de Viola, que costuma ocorrer aos sábados de Lua cheia.

PAISAGENS No cerne da história mineira, as igrejas também fazem parte da cultura arquitetônica da cidade. Destaque para a Matriz de Nossa Senhora da Conceição, construída entre 1915 e 1934, no Centro do distrito e que reúne religiosos para celebrar as dádivas concedidas. Um outro passeio para quem gosta de contemplação de paisagens em lugares altos e de espaço para a reflexão, o Morro Redondo é um mirante imperdível. A uma altitude de 1.224 metros, tem-se uma visão de 360 graus da região, um mar de montanhas. Em seu topo encontram-se o Santuário Senhor do Bom Jesus, em estilo barroco, e obras da artista plástica Vilma Noel. Para quem gosta de apreciar o pôr do sol e tirar aquela foto, o local é ideal.

* Estagiário sob a supervisão da subeditora lizabeth Colares


Publicidade