Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Fique de olho

Estudo revela quais são as piores rotas para voar no Brasil


postado em 30/10/2018 09:13

(foto: Antônio Cunha/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Antônio Cunha/Esp. CB/D.A Press)

 

Uma das piores coisas em uma viagem é saber, depois de horas de espera no aeroporto, que o voo está atrasado ou foi cancelado. Nesta hora a gente pensa: será que isso só acontece comigo? Pensando assim, a AirHelp, empresa especializada em direitos aéreos para passageiros, teve essa mesma dúvida e fez um estudo sobre as rotas aéreas que têm as piores performances do Brasil. A instituição analisou os principais dados de quase 700 rotas nacionais e internacionais para saber quais têm os piores desempenhos. E os resultados revelaram que o destino com o maior percentual de voos interrompidos é o trajeto Brasília/Lisboa, com 38% de viagens sofrendo algum tipo de atraso ou interrupção. Além desse, os outros trechos que formam o top 5 com os maiores números de interrupções são: Rio de Janeiro(Galeão)/Bogotá(El Dorado), com 33%; São Paulo (Guarulhos)/Istambul(Ataturk), com 29%; Florianópolis/Chapecó, com 28% e São Paulo(GRU)/Porto Velho, com 27%. De acordo com Denis da Silva, analista de marketing da AirHelp, os aerportos brasileiros ganham destaque no cenário internacional, mas precisam de melhorar o atendimento. “O Brasil tem cinco entre os 20 melhores aeroportos do mundo, ainda existe espaço para aprimorar em diversas rotas, como a que liga Brasília a Lisboa, que tem uma alarmante porcentagem de quase  40% dos voos atrasados, cancelados ou com overbooking”, afirma .

Seus direitos A AirHelp é uma empresa de tecnologia que presta serviços jurídicos para passageiros que tiveram a experiência de um voo cancelado, atrasado e casos de embarque recusado. Ela  ajuda  os passageiros a entender seus direitos e obter compensação. Desde o lançamento em 2013, a empresa ajudou mais de sete milhões de pessoas a processar pedidos de indenização de  companhias aéreas no valor de quase US$ 930 milhões em reembolso total.  Mais informações: https://www.airhelp.com


Publicidade