Publicidade

Estado de Minas SÉRIE A

Atlético x Fortaleza: jogo duro até na estatística

Duelo de amanhã coloca o Atlético, segundo melhor visitante e líder, para medir forças com o Fortaleza, mandante de segunda maior eficiência


11/09/2021 18:02 - atualizado 11/09/2021 18:03

No ataque, Keno pode ser uma das opções de Cuca, já que há dúvida sobre o aproveitamento de Savarino
No ataque, Keno pode ser uma das opções de Cuca, já que há dúvida sobre o aproveitamento de Savarino (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press - 26/9/20)

O duelo entre Atlético e Fortaleza, amanhã, às 16h, no Castelão, colocará frente a frente o segundo melhor mandante contra o segundo melhor visitante do Campeonato Brasileiro. O Galo, líder da competição, faz grande campanha fora de seus domínios. Em 10 partidas, foram seis vitórias, dois empates e duas derrotas, com 11 gols marcados e oito sofridos.

O time comandado pelo técnico Cuca tem o mesmo número de pontos que o Bragantino fora de casa. No entanto, a equipe paulista tem um jogo a menos (apenas uma derrota). Do outro lado estará o Fortaleza, time de segunda melhor campanha como anfitrião. Invicto na capital cearense, o Leão do Pici soma seis vitórias e três empates, com 17 gols marcados e apenas cinco sofridos.
 
 
A campanha só é "inferior" à do Palmeiras, que tem um ponto a mais. Porém, o time paulista jogou 10 vezes como mandante na elite.

Uma outra coincidência marca o duelo. Nas últimas duas vezes m que visitou adversários, o Galo empatou (1 a 1 com Fluminense e Bragantino). O Fortaleza também ficou no empate nos últimos dois duelos como mandante (1 a 1 com o Santos e 0 a 0 com o Cuiabá).

Se vencer o Fortaleza, o Atlético, com 39 pontos, pode abrir até sete de vantagem na liderança do Brasileiro, dependendo de combinação de resultados. Vice-líder, o Palmeiras, 35, receberá o Flamengo, quinto. O objetivo do alvinegro é dar uma boa arrancada no início do returno, mesmo alternando competições e ainda vingar a derrota por 2 a 1 para a equipe cearense na estreia, no Mineirão.

Nas próximas semanas o Galo terá, além do Nacional, disputas pelas quartas de final da Copa do Brasil e semifinal da Copa Libertadores. O torcedor alvinegro sonha com a conquista dos importantes títulos ao fim da temporada.

A preocupação fica por conta do atacante Savarino. Com dor na virilha, o venezuelano foi substituído aos 19 minutos do primeiro tempo na derrota por 2 a 1 para o Paraguai, em Assunção, quinta-feira, pelas Eliminatórias. Ele vai ser avaliado pelo Departamento Médico.

Uma das opções para substituí-lo pode ser Keno, que fez 32 anos ontem. Depois de um 2020 como artilheiro atleticano (11 gols) e maior assistente (10 passes decisivos), seu 2021 tem sido de pouco brilho. Ele aponta a receita para voltar à melhor forma: treinar mais.

LESÕES 

A temporada passada terminou com lesão no cotovelo esquerdo. A atual também se iniciou com problema médico: contusão muscular na coxa esquerda, que o afastou dos gramados por mais de um mês. Tudo isso, na avaliação de Keno, o atrapalhou.

"Fiquei 40 dias fora, sei que isso me prejudicou. Sei que não posso colocar a lesão como desculpa, mas ficar 40 dias sem jogar e voltar quando seus companheiros já estão muito à frente de você... Você tem de ter uma preparação diferente", disse.

Ele projeta uma virada. "Uma hora, as coisas vão mudar. E, quando mudarem, vou ser feliz com meus companheiros, para poder comemorar junto – a do banco ou jogando, porque o grupo é o que mais importa. Agora, tenho de trabalhar bem e recuperar a forma física. Estou voltando e que eu possa estar pronto para quando o Cuca precisar, eu estar à disposição dele", projetou. Até aqui, o camisa 11 soma números tímidos: dois gols e uma assistência em 23 jogos na temporada.

Reforço é uma das apostas para o Coelho


Num duelo que pode marcar a estreia de sua principal contratação na temporada, o América recebe o Athletico, às 16h, pela 20ª rodada da Série A do Campeonato Brasileiro. No Independência, o Coelho buscará sua segunda vitória consecutiva na competição e há chance de ter o reforço do argentino Mauro Zárate.

Ainda que não tenha convertido as boas atuações recentes em muitas vitórias, o time de Vágner Mancini vem em evolução. Das últimas seis partidas, perdeu apenas uma (diante do Bragantino), venceu duas (contra Fluminense e Ceará) e empatou três (Grêmio, Atlético-GO e Chapecoense).
 
 
 
O atacante argentino Zárate pode ser a novidade do América, que recebe o Athletico e busca a segunda vitória seguida
O atacante argentino Zárate pode ser a novidade do América, que recebe o Athletico e busca a segunda vitória seguida (foto: Alexandre Guzanshe/EM/D.A Press)
 
O América está na zona de rebaixamento – é o 17º colocado, com 18 pontos em 18 jogos. Ainda que supere o rival de hoje, não sairá do Z-4, já que o Bahia, 16º colocado, acumula 21 pontos, mas leva vantagem por ter seis vitórias.

Para enfrentar o Athletico, o América pode contar com a estreia do atacante argentino Mauro Zárate, de 34 anos, contratado neste mês. Ele não atua desde abril, mas garantiu que estaria apto para estrear diante do Furacão. Na quinta-feira, foi registrado no Boletim Informativo Diário (BID) da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

Mancini não antecipou se ele começa jogando ou se ficará como opção para o decorrer da partida. A única baixa é o lateral-direito Eduardo, que segue em recuperação após cirurgia por lesão na tíbia. O titular da posição, Patric, torceu o tornozelo esquerdo em treino durante a semana, mas deve estar à disposição para atuar. Se não puder, Diego Ferreira deve entrar.

Há indefinição sobre quem será o companheiro de Eduardo Bauermann na zaga: Ricardo Silva ou Anderson. Outro zagueiro também pode ser acionado: Lucas Kal. Mas, assim como diante do Ceará, atuaria como volante. Ramon, Juninho e Alê disputam a outra vaga no meio-campo.

No ataque, os quatro nomes mais prováveis são Felipe Azevedo, Ademir, Fabrício Daniel e Ribamar. No entanto, é possível que um deles dê lugar ao estreante Mauro Zárate.

O Athletico passa por má fase. Após a eliminação para o Cascavel nas semifinais do Campeonato Paranaense, na quarta-feira, o técnico português António Oliveira pediu demissão. O time será dirigido pelo diretor técnico Paulo Autuori.

O Furacão também vem de seis partidas sem vitória. A equipe perdeu para Atlético (2 a 0), São Paulo (1 a 2), Cuiabá (1 a 0), Corinthians (0 a 1), Palmeiras (2 a 1) e empatou com o Sport em 0 a 0.

EM QUEDA 

Os resultados ruins fizeram com que a equipe do Paraná caísse três posições na tabela nas últimas seis rodadas, saindo do quinto para o nono lugar, com 24 pontos.  A 'crise' se agravou com a derrota por 2 a 1 para o Cascavel, time da Série D, fora de casa, que contava apenas com 14 jogadores à disposição por causa de lesões, suspensões, COVID-19 e atletas emprestados. 
Apesar dos resultados ruins no estadual e no Brasileiro, o Athletico está nas quartas de final da Copa do Brasil e nas semifinais da Copa Sul-Americana. Em meio aos jogos sem triunfos na Série A, o Furacão empatou com o Atlético-GO e venceu o Santos na Copa do Brasil, perdeu uma e ganhou outra contra a LDU, do Equador. 

António Oliveira deixou o Furacão após 40 jogos, com 21 vitórias, sete empates e 12 empates. Ele teve aproveitamento de 58,3%.

*Estagiário sob supervisão do subeditor Eduardo Murta
 
 

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade