Publicidade

Estado de Minas AMÉRICA

Lisca explica tempos distintos do América em primeiro duelo com o Atlético

Coelho voltou melhor do intervalo no Independência, mas não conseguiu vencer e ficou no 0 a 0


17/05/2021 07:34 - atualizado 17/05/2021 07:37

'O Matheus, no segundo tempo, praticamente assistiu ao jogo', observou Lisca (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A. Press )
'O Matheus, no segundo tempo, praticamente assistiu ao jogo', observou Lisca (foto: Juarez Rodrigues/EM/D.A. Press )
O América iniciou o primeiro duelo das finais do Campeonato Mineiro em desvantagem ante ao rival Atlético e sabendo que precisaria de uma vitória em um dos dois jogos para ser campeão estadual. Neste domingo, no Independência, o time do técnico Lisca foi envolvido no primeiro tempo. Já na segunda etapa, o Coelho é quem esteve melhor em campo.

Depois da expulsão de Allan, aos 31 minutos, a equipe alviverde pressionou ainda mais e nem assim conseguiu o triunfo. Ficou no 0 a 0. O treinador americano explicou a mudança no comportamento de seus comandados após o intervalo.

Para Lisca, o baixo rendimento nos 45 minutos iniciais foi resultado de um bom encaixe defensivo atleticano.

Depois das conversas no vestiário, o técnico revelou que pediu mais profundidade aos volantes Zé Ricardo e Juninho para que as situações do jogo se invertessem. “O Matheus, no segundo tempo, praticamente assistiu ao jogo”, avaliou.

“Respeito tem que ter. Jogamos contra um grande adversário. Muitas vezes você planeja alguma coisa no jogo, alguma situação que o adversário não permite. Isso foi a tônica do primeiro tempo. A gente articulou bem, mas muito no nosso campo defensivo. Toda vez que a gente tentava entrar no campo ofensivo, estávamos bem marcados, precisávamos compactar mais um pouco o meio, que foi o que aconteceu no segundo tempo. A leitura do primeiro tempo nos propiciou voltar melhor, realmente, dentro do campo dos caras, com uma movimentação melhor dos nossos dois volantes. Com um jogo mais assertivo em cima da linha deles. Isso fez com que a gente crescesse”, indicou.

“A gente tentou algumas alternativas, tivemos algumas situações não tão claras. Sempre que o Everson foi solicitado, ele atuou bem. Garantiu bem as bolas aéreas, os chutes que tivemos. Enquanto o Matheus, no segundo tempo, praticamente assistiu ao jogo. Temos que reconhecer a força do adversário. Não estamos jogando contra um ‘ninguém’, pelo contrário. É um time com investimento monstro, com quase R$ 200 milhões em compras e trazendo jogadores. Foi um jogo bem parelho, no primeiro tempo mais. Eles um pouco melhor, mas sem muitas chances também. O segundo tempo todo nosso, fomos melhores, mas também não conseguimos abrir o placar e levar a vitória para casa”, complementou.

Lisca terá agora mais uma semana livre para treinos até o dia da grande decisão. O duelo final está marcado para as 16h30 do próximo sábado, no Gigante da Pampulha. Ao Coelho, só a vitória interessa para que o clube fique com o título estadual. O Galo pode levantar a taça com mais um empate.

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade