Conteúdo para Assinantes

Continue lendo ilimitado o conteúdo para assinantes do Estado de Minas Digital no seu computador e smartphone.

price

Estado de Minas Digital

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas digital por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Todas as fichas em Messi

Para seguir viva na competição, Argentina aposta no melhor jogador do mundo em duelo no Mineirão com o Paraguai. Em BH, camisa 10 teve jornadas de herói e também de apagão


postado em 19/06/2019 04:09

No Gigante da Pampulha, Messi reinou na Copa'2014 e teve atuações sem brilho contra o Brasil(foto: GLADYSTON RODRIGUES/EM/D.A PRESS )
No Gigante da Pampulha, Messi reinou na Copa'2014 e teve atuações sem brilho contra o Brasil (foto: GLADYSTON RODRIGUES/EM/D.A PRESS )


A Argentina entra em campo mais uma vez pressionada, agora para o jogo contra o Paraguai, hoje, às 21h30, no Mineirão, pela segunda rodada do Grupo B da Copa América. Depois de perder na estreia por 2 a 0 para a Colômbia, em Salvador, a equipe albiceleste aposta todas as fichas em Lionel Messi, como se tornou comum nos últimos 12 anos.

La Pulga já deu resposta quando requisitado pelo país natal, inclusive no Mineirão. Na Copa do Mundo de 2014, marcou no fim um golaço sobre o Irã, garantindo vitória por 1 a 0 pela segunda rodada e encaminhando a classificação no Grupo F, que tinha ainda Bósnia e Nigéria.

Porém, também já falhou em situação difícil, como na última vez em que atuou no Gigante da Pampulha, pela 11ª rodada das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018. Na oportunidade, o Brasil fez 3 a 0 na Argentina, que estava em queda livre e figurou fora até mesmo da zona de repescagem depois da “sapatada”.

Para completar, o jogador do Barcelona ainda busca o primeiro título com a Argentina. Multicampeão com o clube catalão e eleito o melhor jogador do mundo em cinco oportunidades, ele nunca conseguiu apresentar a mesma eficiência com a camisa albiceleste, que defende desde 2005, sendo o terceiro atleta que mais atuou pela seleção.

Isso acabou gerando críticas ao Sul do Rio da Prata. Há os que dizem que Messi, por ter ido para a Espanha ainda com 11 anos, não teria identidade com a Seleção Argentina. A verdade é que, já há algum tempo ele é um oásis de talento em meio ao caos tático e administrativo que se tornou a equipe administrada pela Afa.

Prova disso é que a equipe está no quarto treinador nos últimos cinco anos. Desde a saída de Alejandro Sabella, em 2014, passaram pelo cargo Gerardo Martino, Edgardo Bauza e Jorge Sampaoli. Nenhum deles conseguiu dar o padrão que o camisa 10 merece.

Isso agora é responsabilidade de outro Lionel, o Scaloni, que foi auxiliar de Sampaoli e assumiu de forma interina em agosto. Ele, no entanto, acabou derrotado no primeiro jogo oficial, que foi contra os colombianos, resultado inesperado.

“Ninguém fiou satisfeito com o primeiro jogo. Mas ainda temos a competição pela frente, está todo mundo pensando em fazer o melhor para equipe. No dia da derrota foi como tinha de ser, (muita tristeza) pois ninguém esperava. Mas temos a chance de reabilitação logo em seguida e vamos buscá-la”, afirmou o treinador.

Ele comandou na manhã de ontem, na Cidade do Galo, a última atividade antes da partida de hoje. Houve longa conversa com o grupo, em que Messi pediu a palavra. Outros atletas experientes, como o zagueiro Otamendi, e os atacantes Di María e Agüero, também falaram.

Os dois últimos, porém, não estão com tanto prestígio com o comandante e podem perder a condição de titular. Se isso correr, entram Lautaro Martínez e De Paul. Também saem o lateral-direito Saraiva e o volante Rodríguez para as entradas de Casco e Pereyra.

PARAGUAIOS Em situação bem mais tranquila, a Seleção Paraguaia quer aproveitar o desespero adversário. Em processo de renovação visando à Copa América para se preparar para as Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022, a equipe Guarani vem de empate por 2 a 2 com o Catar, em jogo em que chegou a abrir 2 a 0.

O técnico Eduardo Berizzo, porém, sabe que não haverá facilidades hoje. “No futebol tudo sempre tem dois lados. Podemos nos apoiar no fato de que eles vêm de derrota e precisam se recuperar. Mas eles também podem estar animados para reagir. De toda maneira, do nosso lado sabemos da importância da partida. É uma decisão e temos de ter uma ideia de jogo clara”, disse.

Pode valer vaga Depois de estrear com vitória contra a Argentina por 2 a 0, em Salvador, a Colômbia pode garantir a classificação à próxima fase da Copa América se vencer o Catar hoje, às 18h30, no Morumbi, pelo Grupo B. A seleção comandada pelo português Carlos Queiroz entrará em campo sem o atacante Luís Muriel, do Sevilla, que sofreu lesão no ligamento colateral do joelho direito e está fora da competição. O substituto deve ser Roger Martínez, que entrou no lugar de Muriel no decorrer do jogo e foi autor de belo gol contra os argentinos. Já o Catar, que empatou com o Paraguai por 2 a 2 na estreia, pode dar grande passo em busca da vaga em caso de vitória. O principal nome da equipe é o atacante Almoez Aziz, artilheiro e destaque na conquista da Copa da Ásia.

LA PULGA NO MINEIRÃO

18/6/2008
Eliminatórias Sul-Americanas
Argentina 0 x 0 Brasil

21/6/2014
Copa do Mundo
Argentina 1 x 0 Irã

10/11/2016
Eliminatórias Sul-Americanas
Argentina 0 x 3 Brasil


ENQUANTO ISSO...
Ainda há ingressos
Até ontem à tarde, 31 mil ingressos haviam sido retirados, na loja do Comitê Organizador Local (COL) da Copa América’2019, no Boulevard Shopping, para o confronto entre Argentina e Paraguai. Quase oito mil entradas ainda estavam no aguardo de seus donos, por isso, o horário de funcionamento do posto foi estendido, passando das 20h para as 22h. Hoje, a loja será aberta uma hora mais cedo, às 9h. A compra segue até três horas antes de cada partida, mas, de acordo com o COL, os bilhetes adquiridos só podem ser retirados no Boulevard – o prazo vai até o fim do jogo. No Mineirão, não há venda, nem retirada de ingressos. O Comitê reforçou o pedido para que o público não deixe para buscar na última hora. (Ivan Drummond/Paulo Galvão)


Publicidade