Continue lendo os seus conteúdos favoritos.

Assine o Estado de Minas.

price

Estado de Minas

de R$ 9,90 por apenas

R$ 1,90

nos 2 primeiros meses

Utilizamos tecnologia e segurança do Google para fazer a assinatura.

Assine agora o Estado de Minas por R$ 9,90/mês. Experimente 15 dias grátis >>

Estado de Minas

Daniel Alves aposta em mais axé na Bahia


postado em 15/06/2019 04:09

(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)
(foto: Ramon Lisboa/EM/D.A Press)

Depois de 45 minutos em que o jogo contra os bolivianos não fluiu, a Seleção Brasileira construiu sua primeira vitória na Copa América com três gols no segundo tempo. O sentimento entre os jogadores foi de dever cumprido, pela estreia com triunfo, mas eles mesmos reconhecem que é necessário render mais, até para agradar aos torcedores.

 

Ontem, o time foi vaiado na saída para o intervalo. Para o capitão Daniel Alves, reflexo da exigência da torcida paulista. “Em São Paulo, é sempre difícil jogar, porque a torcida é mais exigente. Mas a equipe apresentou personalidade e constância para buscar o resultado”, afirmou o lateral, em entrevista ao Sportv após o jogo. Ele acredita em clima mais favorável em sua terra natal, na próxima partida, contra a Venezuela: “Na Bahia, o axé é diferente. As pessoas sentem falta da Seleção Brasileira, desta energia que a Seleção leva onde passa. Certeza que lá vai ser mais animado que aqui. Chegou momento que se o Tite gritasse dava para escutar no campo... A inquietude é normal, mas para se jogar na Seleção tem que ter personalidade”. O nervosismo inicial também foi destacado pelo zagueiro Thiago Silva, que enalteceu o poder de reação da Seleção Brasileira: “Estávamos na expectativa de fazer o gol no primeiro tempo, quando impusemos uma pressão no ataque.

 

Particularmente, tive duas chances, mas as bolas foram para fora. Estivemos um pouco abaixo no primeiro tempo em função de o adversário jogar muito atrás. Depois que abrimos a porteira, o jogo ficou mais fácil. As coisas foram correndo naturalmente”. APLAUSOS Quem deixou o campo aplaudido pelo público foi o atacante Everton, de 23 anos, que marcou seu primeiro gol pela Seleção. Ele elogiou o comprometimento de todos os atletas, inclusive daqueles que começaram no banco: “Queria fazer muito o gol. Fiquei muito feliz por poder ajudar a Seleção, ainda mais jogando em casa. Nossa equipe tem muito a ganhar por ter um grupo tão qualificado. Os que ficam de fora sempre ajudam”.

 

Em BH, Show empolga mais que a partida

Em Belo Horizonte, muitos bares se transformaram em extensões da arquibancada do Morumbi. Uma das maiores concentrações de torcedores foi no Expominas, onde uma das patrocinadoras da Seleção Brasileira montou um espaço especial para a transmissão da estreia do Brasil contra a Bolívia. Mas não houve muita empolgação com a equipe de Tite. Apenas no segundo e terceiro gols a comemoração foi mais efusiva. Além disso, pouquíssimas pessoas trajavam a camisa do time, seja a amarela, a azul ou a branca, usada ontem à noite. Era possível contar nos dedos quantos estavam com o uniforme. Muita gente, inclusive, foi ao Expominas por causa do show da dupla sertaneja Henrique e Diego, antes do jogo. Os ingressos para o confronto de terça-feira, Brasil x Peru, estão esgotados – a atração será a cantora Ludmilla. (Ivan Drummond) 


Publicidade