UAI
Publicidade

Estado de Minas ELEIÇÃO ESTADUAL

PSDB estuda candidatura própria ao governo mineiro e tem dois nomes na mesa

Presidente tucano no estado diz que Marcus Pestana e Paulo Brant podem representar o partido na corrida rumo ao Palácio Tiradentes


04/05/2022 19:21 - atualizado 04/05/2022 19:58

O ex-deputado federal Marcus Pestana
Marcus Pestana (foto) é um dos nomes avaliados pelo PSDB (foto: Rodrigo Clemente/EM/D.A Press - 27/4/13)
A tese de que o PSDB deve ter nome próprio na corrida rumo ao governo de Minas Gerais é defendida por parte dos integrantes do ninho tucano. O ex-deputado federal Marcus Pestana é uma das possibilidades avaliadas, mas o presidente estadual do partido, Paulo Abi-Ackel, diz que o vice-governador Paulo Brant também é pré-candidato. Paralelamente, há os defensores de uma união a Romeu Zema (Novo), que tentará a reeleição.

Segundo Abi-Ackel, que além de dirigente partidário é deputado federal, o martelo ainda não está batido e os rumos tucanos seguem indefinidos.

"É motivo de grande satisfação para o PSDB que Marcus Pestana, um dos principais quadros políticos brasileiros, mostre-se muito entusiasmado com a perspectiva de ser pré-candidato do partido a governador", disse, ao Estado de Minas. "Há, no PSDB, aqueles que preferem a coligação com o Governador Romeu Zema. Por isso, para tomar a decisão, é preciso ouvir todos os segmentos partidários, todos os deputados federais e estaduais, prefeitos, vice, vereadores, e a militância", emendou.

Para o presidente tucano, Paulo Brant, que retornou aos quadros do PSDB no ano passado, deve ser voz ativa na definição dos rumos da sigla em Minas Gerais.

"O PSDB precisa ouvir o vice-governador Paulo Brant, que também é pré-candidato ao governo de Minas, no caso de uma candidatura própria, ou mesmo pré-candidato ao cargo de vice, que ele já ocupa, no caso da decisão de caminhar junto com Zema".

Aécio é porta-voz de candidatura própria


Uma das vozes favoráveis à construção de um palanque próprio do PSDB em Minas Gerais é o deputado federal Aécio Neves. Em abril, ele disse ao EM que havia nomes em pauta. Segundo o parlamentar, a conjuntura nacional deve ditar os rumos.

"Se a questão nacional caminhar em torno de Eduardo Leite [como candidato a presidente], facilita esse caminho, mas nossa intenção, do presidente Paulo Abi-Ackel e demais companheiros, é colocar candidaturas ao governo e ao Senado que, quem sabe aglutinem outras forças que não se sentem representadas nas duas candidaturas postas", projetou, em menção a Zema Alexandre Kalil (PSD), líderes das sondagens eleitorais.

O PSDB tem acordo para formar uma federação partidária com o Cidadania. Na Assembleia Legislativa, os tucanos compõem a base aliada ao Palácio Tiradentes. Até março, o líder de Zema no Legislativo, Gustavo Valadares, era filiado à legenda - o deputado estadual se mudou para o PMN.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade