UAI
Publicidade

Estado de Minas VAIVÉM

Bolsonaro anuncia que Silveira será o seu líder no Senado

Mais cedo, senador falou que não considerava a proposta; agora, interlocutores apontam possibilidade concreta de posse no posto, confirmada pelo presidente


20/01/2022 21:42 - atualizado 20/01/2022 21:43

Alexandre Silveira, do PSD
Senador vai assumir as articulações do governo federal em fevereiro (foto: Edesio Ferreira/EM/D.A Press)
Após falar em "não considerar", por ora, a proposta para ser líder do governo no Senado Federal, Alexandre Silveira (PSD-MG) ainda é cotado para assumir o posto. Interlocutores ligados ao Congresso Nacional garantiram ao Estado de Minas, na noite desta quinta-feira (20/1), que há grandes chances de ele aceitar o convite do presidente Jair Bolsonaro (PL), que afirmou, em sua live semanal, que o mineiro vai encabeçar as articulações do Palácio do Planalto. 


Ao tratar da inauguração do último trecho da Ferrovia Norte-Sul, Bolsonaro projetou um "passeio" ao lado de Silveira, de representantes da bancada mineira no Congresso e do ministro Tarcísio de Freitas, da Infraestrutura. 

"Vamos convidar o novo líder do governo, que vai assumir em fevereiro, o Alexandre Silveira, para ficar com a gente em um trecho dessa ferrovia", disse o presidente.

 

Depois das falas de mais cedo, onde falava da recusa momentânea, Silveira não chegou a confirmar oficialmente que assumirá o posto. 


O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ), porém, também confirmou à "CNN Brasil" a indicação de Silveira para a liderança. Ele chamou o futuro senador por Minas Gerais de "muito experiente" e "excelente quadro".

"É apenas questão de tempo, uma pequena burocracia, até que haja a formalização e ele tome posse no seu cargo de senador. Assim que isso acontecer, ele será o líder do governo no Senado Federal", assegurou. 

Como mostrou ontem o EM, Silveira estava bastante inclinado a aceitar o convite, que partiu do próprio Bolsonaro. Antes, porém, precisava conversar com o presidente do Congresso, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), de quem é muito próximo, e com Gilberto Kassab, presidente nacional pessedista.

Hoje, ao tratar do tema, Silveira explicou que não poderia analisar o convite por ainda não ser um senador da República. Ele assume uma das 81 cadeiras da Casa em fevereiro, quando Antonio Anastasia (PSD), tomar posse como conselheiro do Tribunal de Contas da União (TCU).

"Como não estou investido do cargo de senador da República, não posso considerar a avaliação da proposta no momento. Meu objetivo é, com responsabilidade e muito trabalho, cumprir um mandato que orgulhe os mineiros e as mineiras, independentemente de governos ou ideologias". 

Em que pese as falas, Silveira, cuja escolha, segundo Flávio Bolsonaro, foi unânime, chegou a ter reunião sobre os projetos considerados prioritários pelo governo.

"Acredito que o convite se deu pela nossa capacidade de diálogo e disposição para discutir os projetos que interessam aos brasileiros, acima de qualquer ideologia ou questão partidária", completou o pessedista, mais cedo.


Atualmente, o ex-deputado federal Silveira é diretor de Assuntos Jurídicos do Senado. No mundo político, ele é conhecido por ter bom trânsito em Brasília e, também, junto a prefeitos mineiros.

O cargo de líder está vago desde dezembro, quando Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE) o entregou. A decisão ocorreu por causa, justamente, do Tribunal de Contas da União. Bezerra obteve apenas sete votos na eleição vencida por Anastasia. Ter terminado na lanterna da disputa, atrás também de Kátia Abreu (PP-TO), motivou a renúncia.

Antes do convite a Alexandre Silveira, Carlos Viana (MDB), outro mineiro, chegou a ser sondado.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade