UAI
Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Bolsonaro nega ser antivacina: 'Fiz a coisa certa durante a pandemia'

Presidente garantiu ter pronto roteiro de ações caso o STF suspendesse a decisão que garantiu a governadores e prefeitos as medidas sanitárias


17/01/2022 14:44 - atualizado 17/01/2022 15:53

Bolsonaro conversa com a imprensa
Presidente Jair Bolsonaro fala com jornalistas (foto: PR/Reprodução)
O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, nesta segunda-feira (17/1), que não é contrário à vacinação contra COVID-19. De acordo com o chefe do Executivo federal, ele fez “a coisa certa” durante a pandemia do coronavírus.

A declaração foi dada durante entrevista à rádio Viva, do Espírito Santo.
 
Na conversa, Bolsonaro disse ainda que teria pronto um roteiro de ações caso o Supremo Tribunal Federal (STF) suspendesse a decisão que garantiu a autonomia para governadores e prefeitos implementarem medidas sanitárias.
 
 
"Se o Supremo restabelecer o comando das ações da pandemia para mim, tenho pronto o que faria poucas horas depois. Eu não falo agora senão vai ser uma polêmica enorme, uma crítica muito grande contra a nossa pessoa... mas fizemos a coisa certa durante a pandemia", disse.

Durante toda a pandemia, Bolsonaro foi contra as medidas de isolamento social justificando que as ações "acabariam" com a economia do Brasil.

Além disso, o governo Bolsonaro recusou diversas ofertas de vacina e dificultou a compra dos imunizantes. O presidente também se negou a tomar a vacina e promoveu diversas fake news sobre o assunto, chegando a dizer que a vacinação ajudava as pessoas a contrair AIDS.
 
 
Apesar disso, na conversa com os jornalistas da rádio, Bolsonaro disse que nunca participou do movimento "antivax", contrário à vacinação. No entanto, o presidente pontuou que é contra a inclusão de crianças de 5 a 11 anos no Programa Nacional de Imunizações (PNI).

"Deixo bem claro, foi o nosso governo que comprou 400 milhões de doses de vacinas. Continuam me acusando de ser contra a vacina, mas como? Se comprei 400 milhões de doses?", questionou Bolsonaro. 

"O que entrei em disputa nas últimas semanas foi quando se falou em vacinar crianças de 5 a 11 anos. Ou seja, prevaleceu a vontade nossa, do Ministério da Saúde, onde as crianças podem se vacinar desde que os pais autorizem. E fiquem sabendo dos possíveis efeitos colaterais, que não são poucos. A nossa participação é por aí", finalizou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade