UAI
Publicidade

Estado de Minas STF

CCJ do Senado aprova indicação de Mendonça ao STF, e nome vai a plenário

Conjunto de parlamentares será responsável por apreciar, definitivamente, a sugestão do presidente Jair Bolsonaro


01/12/2021 17:26 - atualizado 01/12/2021 17:33

André Mendonça, ex-ministro da Justiça
André Mendonça terá indicação avaliada no plenário (foto: Edilson Rodrigues/Agência Senado)
O ex-ministro André Mendonça teve a sua indicação ao Supremo Tribunal Federal (STF) aprovada nesta quarta-feira (01/12) pelos integrantes da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) do Senado Federal. Agora, o nome dele precisará ser apreciado pelo conjunto de senadores, em plenário, onde precisa de aval da maioria absoluta dos 81 parlamentares.

 

A tendência é que a análise em plenário ocorra ainda nesta quarta. 


Mendonça foi titular da pasta de Justiça. Ele recebeu a indicação do presidente Jair Bolsonaro (PL) em julho. Após cerca de quatro meses, foi sabatinado pelos componentes da CJJ. Ex-advogado-geral da União, Mendonça é pastor presbiteriano.

Ele fez discurso em defesa do Estado laico, da "segurança jurídica" e prometeu agir conforme as bases da Constituição Federal. "Na vida, a Bíblia, no Supremo, a Constituição'', disse.

Na CCJ, o nome de Mendonça recebeu 18 votos favoráveis; houve nove votos contrários. A reunião desta quarta foi conduzida por Davi Alcolumbre (DEM-AP), presidente do colegiado. A inquirição ao candidato à Suprema corte começou por volta das 9h30. Ele afirmou, também, que "não se pode criminalizar a política".

"Sendo aprovado no plenário do Senado Federal. Meu gabinete está aberto a todos os senadores, de todos os partidos para a construção à luz da Constituição, de um país mais justo e de uma melhor democracia. É um compromisso público que assumo", garantiu ele, aproveitando para agradecer a líderes religiosos que se mostraram favoráveis à indicação.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade