UAI
Publicidade

Estado de Minas ARREPENDIDO

Sérgio Reis admite que errou e nega ser 'puxa-saco' de Bolsonaro

O cantor teve shows e publicidades canceladas após vídeo defendendo o governo e convocando manifestações contra o STF viralizar nas redes sociais


19/08/2021 08:03 - atualizado 19/08/2021 08:57

Cantor sertanejo Sérgio Reis, de 81 anos(foto: Reprodução)
Cantor sertanejo Sérgio Reis, de 81 anos (foto: Reprodução)
A vida do cantor sertanejo e ex-deputado federal Sérgio Reis ficou tumultuada após algumas declarações polêmicas a favor do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). No entanto, agora que teve prejuízo em sua carreira, ele admitiu que errou e ainda negou ser "puxa-saco" do chefe do executivo.


Em seguida, em 14 de agosto, um vídeo de Sérgio Reis convocando caminhoneiros e a população a saírem às ruas em defesa do governo e pedindo o impeachment dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) viralizou nas redes sociais. “Nós vamos parar 72 horas. Se não fizer nada, nas próximas 72 horas ninguém anda no país. Vai parar tudo. Não é só Brasília, é o país”, disse. “Nada nunca foi igual ao que vai acontecer. Se eles [os ministros do STF] não atenderem ao nosso pedido, a cobra vai fumar”, complementou.
 

Nas redes sociais, o cantor foi “cancelado” e isso trouxe prejuízos em sua carreira. “Querem me massacrar. Já estou tendo prejuízo. Cancelaram quatro shows e dois comerciais que ia fazer agora. Tiraram do ar um que faço para um supermercado de Curitiba. Vão tirar por um mês do ar e esperar para ver o que acontece”, afirmou em entrevista ao Congresso em Foco.

Durante a conversa, ele admitiu que errou e ainda afirmou que defende a democracia e que “não há necessidade” de uma intervenção militar. “Não sou puxa-saco do Bolsonaro”, disse.

“Eu errei mesmo, errei muito. Não devia ter falado, porque as pessoas pensam… Falei com um amigo. Ele postou num grupinho. Um amigo da onça. É da vida. Estão me ameaçando, pensando que estou com medo. Mas não me escondi. Estou aqui em casa, não agredi ninguém. Arco com minha responsabilidade”, afirmou. 
 

Além de perder shows e patrocínios, ele também virou alvo de um inquérito da Polícia Civil do Distrito Federal. O cantor sertanejo de 81 anos pode ser associado a até três crimes: ameaça, dano e atentado contra a segurança de meio de transporte.

No entanto, ele disse que ainda não foi notificado. “Se abriram, vamos fazer a defesa, o que é certo. Não tenho medo de cadeia. Quando moço, eu era briguento, participava de briga tonta. Fui preso por briga, tinha de responder pelo que fiz. Não fiz nada agora”, disse.

Além disso, ele admite que vai às ruas para engrossar o coro dos bolsonaristas no feriado do Dia da Independência. Para o dia, estão convocadas manifestações contra o STF e o Congresso e a favor de Bolsonaro.

“Tenho de ir para a rua porque me comprometi com eles. Preciso mostrar para o povo que querem me amedrontar. Se tiver de morrer, eu morro, morro pelo meu país. Não vou fugir”, afirmou.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade