Publicidade

Estado de Minas COVID-19

''Eu não posso tomar essa vacina lá de SP'', diz Bolsonaro sobre CoronaVac

Aos 66 anos, presidente foi incluído no grupo de imunização por idade há meses, mas ainda não se vacinou


04/08/2021 13:56 - atualizado 04/08/2021 14:05

O presidente Jair Bolsonaro alegou que quando for receber o imunizante, não tomará a CoronaVac(foto: AFP)
O presidente Jair Bolsonaro alegou que quando for receber o imunizante, não tomará a CoronaVac (foto: AFP)

O presidente Jair Bolsonaro voltou a dizer nesta quarta-feira (4/8) que deverá ser o último a se vacinar contra a COVID-19. Aos 66 anos, o mandatário foi incluído no grupo de imunização por idade há meses. Ele alegou ainda que quando for receber o imunizante, não tomará a CoronaVac. Em indireta, deu a entender que poderá buscar por vacinas da Janssem, Pfizer ou AstraZeneca. O Ministério da Saúde recomenda a vacinação com todas as doses disponíveis pelo SUS e alerta que os chamados 'sommeliers de vacina' atrapalham o esquema vacinatório.

"Eu serei o último da fila. Já que tem muita gente apavorada para tomar vacina, não é justo o chefe do Estado tomar na frente do cidadão comum. Então, eu vou ser o último da fila. Eu vou tomar vacina que eu possa entrar no mundo todo. Eu não posso tomar essa vacina lá de SP que não está aceita na Europa nem nos EUA. Eu viajo o mundo o todo e tenho que tomar a específica aceita no mundo todo", justificou o presidente, que vem fazendo críticas reiteradas ao imunizante.
Em junho, ele questionou a eficácia da vacina CoronaVac, a mais aplicada no Brasil. "Eu tenho que falar, não posso me omitir. Vocês estão vendo que a CoronaVac está com problema em alguns países do mundo, como por exemplo o Chile, entre outros. No Brasil, não está sendo diferente. A gente vê notícias de asilos, por exemplo, que têm dezenas de idosos que tomaram as duas doses, e que, depois de algum tempo, as pessoas são infectadas e entram em óbito", continuou.

No dia 22 de julho, erroneamente, o chefe do Executivo teceu críticas à vacina CoronaVac afirmando que a eficácia do imunizante "está lá embaixo". Ele relatou que a mesma "não deu certo no Chile e em SP, o pessoal pergunta qual é. Se é CoronaVac, a tendência é não aceitar". Bolsonaro acrescentou que "não adianta comprar mais X vacinas se a população aqui (no Brasil) não quiser tomar".

Eficácia

A imunização não impede que a pessoa contraia o vírus, mas reduz os riscos de que desenvolva formas mais graves da doença. Segundo especialistas, nenhuma vacina é 100% eficaz contra doenças, o que inclui imunizantes utilizados há décadas, como vacinas contra sarampo, catapora e gripe. O objetivo é garantir que o sistema imunológico seja exposto ao vírus de forma segura.

A CoronaVac apresenta eficácia geral de 50,38% para prevenir casos da COVID-19. Um estudo de efetividade conduzido pelo Instituto Butantan na cidade de Serrana, no interior de São Paulo, vacinou cerca de 75% da população adulta e observou quedas de 80% nos casos sintomáticos da doença e de 86%, nas internações, além da redução de mortes em 95%.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade