Publicidade

Estado de Minas JOE BIDEN

Biden diz que não enviará vacinas a Cuba: 'governo confiscaria as doses'

O presidente informou que os EUA estariam dispostos a enviar doses, caso uma organização internacional conferisse a entrega para a população


15/07/2021 21:47 - atualizado 15/07/2021 21:57

Biden informou que não está considerando enviar remessas de vacinas dos Estados Unidos ao país(foto: SAUL LOEB)
Biden informou que não está considerando enviar remessas de vacinas dos Estados Unidos ao país (foto: SAUL LOEB)
O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden (Democratas), disse em uma conferência com a chanceler alemã, Angela Merkel, nesta quinta-feira (15/7), que Cuba é um “Estado falido”. Enquanto os protestos contra o governo cubano estavam ocorrendo, ele afirmou que o comunismo é um “sistema falho”.

 

Biden informou que não está considerando enviar remessas de vacinas dos Estados Unidos ao país, pois tem receio de que o governo cubano confisque os lotes. Além disso, ele disse que os EUA estão buscando formas de reinstalar o acesso à internet em Cuba.

 

“Cuba é, infelizmente, um sistema falido e repressivo. Existem várias coisas que nós poderíamos fazer para ajudar a população cubana, mas isso demandaria diferente circunstância ou garantias de colaboração do governo. Por exemplo, poderíamos enviar remessas a Cuba. Nós não vamos fazer isso neste momento, pois é altamente provável de que o governo confiscaria as doses ou partes delas”, disse o presidente.

 

Ao ser questionado sobre sua visão em relação ao regime comunista, Biden respondeu que “o comunismo é um regime falho, universalmente falho. E eu não vejo o socialismo como um bom substituto, mas isso é uma outra história”.

 

O presidente dos EUA ainda ressaltou que o país está preparado para enviar vacinas contra a COVID-19 a Cuba, mas como o governo não entrou na coligação internacional de vacinas, COVAX, em que o Estados Unidos participa, isso não ocorrerá.

 

“Eu estaria preparado para entregar uma quantia significativa de vacinas, se eu tivesse certeza de que uma organização internacional estivesse administrando as doses e de que a população realmente teria acesso a elas”, acrescentou.

 

Cuba

 

Durante uma fala televisionada na última semana, o presidente cubano Miguel Diaz-Canel colocou a culpa da situação econômica do país nas sanções dos EUA. Desde a posse de Biden, as políticas de Cuba estão sendo revisadas.

 

Durante o governo de Barack Obama, Cuba supervisionou a reabertura das embaixadas e a redução de restrições em vigor desde o embargo. Entretanto, com a posse de Donald Trump, o governo americano promulgou as mais restritas medidas contra Cuba em décadas e ainda nomeou o país como apoiador de terrorismo.  

 

Manifestações

 

As maiores manifestações das últimas décadas em Cuba ocorreram na última semana contra as reduções de direitos básicos, restrições às liberdades civis e o modo como o governo tem lidado com a pandemia do coronavírus.

 

No começo da semana, as redes sociais foram restringidas em Cuba, de acordo com o monitor NetBlocks, que informou que as métricas mostraram que os aplicativos WhatsApp, Facebook, Instagram e alguns servidores do Telegram foram interrompidos.

 

“Estamos considerando se temos a tecnologia necessária para reinstalar o acesso à internet”, disse Biden.

 

*Estagiária sob supervisão do subeditor Eduardo Oliveira 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade