Publicidade

Estado de Minas ANALOGIA

CPI: em dia de médicos pró-cloroquina, Luana Araújo fala sobre parasitas

''Nós seguimos. Os parasitas passam'', diz a infectologista em vídeo publicado nas redes sociais


18/06/2021 17:33 - atualizado 18/06/2021 18:30

Luana Araújo é médica infectologista e atua em Belo Horizonte(foto: Arquivo Pessoal/Reprodução)
Luana Araújo é médica infectologista e atua em Belo Horizonte (foto: Arquivo Pessoal/Reprodução)
No mesmo dia em que médicos defensores de tratamento sem comprovação científica depõem na CPI da COVID, a infectologista Luana Araújo fez uma postagem no Instagram sobre parasitas

 

 


Na legenda do post publicada nesta sexta-feira (18/6) ela escreveu: “Parasitismo e o dia de hoje: o que uma coisa tem a ver com a outra?”

No vídeo, ela começa dizendo que vai falar a respeito de um assunto sobre o qual nem ia se pronunciar. 

“Mas, muitos de vocês têm me mandado mensagens muito aflitas ao longo do dia. E eu acho que essa aflição de vocês não tem razão de ser”. 

Luana fala que vai conversar sobre um conceito da Biologia, “que tem implicações médicas, sanitárias, mas que também pode ser visto por um prisma um pouco maior: parasitismo.”

Em seguida, ela lembra que o próprio vírus que transmite a COVID-19, o SARS-%u200BCoV-2, é um parasita intracelular. 

“Esses organismos não têm vida, eles não tem propósito, autossuficiência. Eles não conseguem existir, senão tendo uma relação de retirada de nutrientes ou utilização de maquinário de um outro organismo.” 

E continua, “esses organismos se arvoram alguma importância quando conectados neste tipo de relação. E fora dessa relação, eles simplesmente não significam nada.” 

Quando a relação está para ser rompida por alguma razão, segundo a médica, esses parasitas lutam para não sair dela. 

“Eles estão lutando pela própria vida. E lutam com todas as armas que tem e que, obviamente, são condizentes com o nível evolutivo desses organismos. O que é, obviamente, bastante restrito.” 

Segundo a médica, algumas pessoas nunca saíram do grau evolutivo dos parasitas. 

“E quando essa relação é descoberta e está para ser rompida, essas pessoas se comportam exatamente como aqueles organismos menos. Elas estrebucham, elas lutam com as suas armas pouco evoluídas pela própria vida. Porque elas sabem que a hora que saírem dali, elas inexistem, não tem nenhuma significância.” 

Para terminar, Luana pede que os seguidores reconheçam os parasitas e os coloque no nível evolutivo que eles têm. “Nós seguimos. Os parasitas passam.” E conclui dizendo que quando percebemos relações deste tipo no dia-a-dia devemos encerrá-las. “E elas voltam para a esgotosfera da onde elas vieram. Não se preocupem”, finaliza. 
 
Veja o vídeo na íntegra:
 

Depoimento à CPI da COVID


A infectologista ficou conhecida nacionalmente no dia em que prestou depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID no Senado, em 2 de junho. Luana logo viralizou nas redes sociais com frases contundentes contra o tratamento precoce para a COVID-19 e a imunidade de rebanho

É uma discussão delirante, esdrúxula, anacrônica e contraproducente. É como se a gente estivesse escolhendo de que borda da Terra plana a gente vai pular, não tem lógica”, disse sobre o tratamento precoce.

Já a respeito da estratégia de imunidade de rebanho, a médica afirmou: “Não é inteligente.”
 
*Estagiária sob supervisão do subeditor João Renato Faria
 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade