Publicidade

Estado de Minas INVESTIGAÇÃO

Auditor que criou estudo paralelo no TCU é amigo dos filhos de Bolsonaro

Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques foi o responsável por documento que afirma que total de mortes por COVID foi inflado


08/06/2021 16:35 - atualizado 08/06/2021 17:01

Estudo paralelo do TCU foi citado por Bolsonaro(foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
Estudo paralelo do TCU foi citado por Bolsonaro (foto: Marcos Oliveira/Agência Senado)
Foi o auditor Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques o responsável por elaborar o “estudo paralelo” do Tribunal de Contas da União (TCU) apontando que metade das mortes pela COVID-19 no país não ocorreram. Segundo ele, os governadores inflaram o total de óbitos para obterem mais verbas do governo federal.
 
Procurado pelo Correio Brazilense, Alexandre disse que só falaria com autorização da assessoria de imprensa do TCU, que já foi demandada. O auditor é amigo dos filhos do presidente Jair Bolsonaro e do presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Gustavo Montezano.

O “estudo paralelo” foi citado por Bolsonaro na segunda-feira (07/06) para desqualificar a pandemia do novo coronavírus, que já matou quase 500 mil brasileiros. Nesta terça (08/06), o presidente assumiu que o “estudo” não pertence oficialmente ao Tribunal de Contas da União.

Alexandre está lotado na secretaria do TCU que lida com inteligência e combate à corrupção. Quando começou a pandemia do novo coronavírus, ele pediu para acompanhar as compras com dinheiro público de equipamentos para o combate à COVID.

 Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques foi o responsável por estudo paralelo(foto: Reprodução)
Alexandre Figueiredo Costa Silva Marques foi o responsável por estudo paralelo (foto: Reprodução)
A partir dali, o auditor começou a elaborar o “estudo paralelo”. Quando apresentou os resultados de sua tese aos colegas de trabalho, foi veemente repreendido, pois ficou claro que ele queria desqualificar os governadores e favorecer o discurso de Bolsonaro. Nenhum outro auditor do TCU endossou o “estudo” por considerá-lo uma farsa.

Assustados com a insistência de Alexandre, os colegas de trabalho comunicaram os ministros da Corte de Contas o que estava acontecendo. Mas o auditor entregou a sua tese aos filhos de Bolsonaro, que a tornou pública. O TCU abriu investigação para apurar a conduta de Alexandre.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade