Publicidade

Estado de Minas NOVA FUNÇÃO

Pazuello ganha cargo no governo Bolsonaro e vai atuar como estrategista

Ex-ministro da Saúde vai compor a Secretaria de Assuntos Estratégicos do Palácio do Planalto


01/06/2021 15:15 - atualizado 01/06/2021 15:24

Pouco mais de dois meses após exoneração do Ministério da Saúde, Pazuello está de volta ao governo federal(foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
Pouco mais de dois meses após exoneração do Ministério da Saúde, Pazuello está de volta ao governo federal (foto: Jefferson Rudy/Agência Senado)
O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello ganhou novo cargo no governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido). O general do exército vai ocupar o posto de secretário de Estudos Estratégicos da Secretaria Especial de Assuntos Estratégicos da Presidência da República. A nomeação foi publicada nesta terça-feira (1/6), em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

A designação de Pazuello é assinada pelo ministro-chefe da Casa Civil, o general Luiz Eduardo Ramos. O ex-comandante da Saúde Federal havia deixado a Esplanada dos Ministérios em março, quando foi substituído por Marcelo Queiroga, em meio à grave crise imposta pela pandemia de COVID-19.

O setor de Assuntos Estratégicos é próximo ao gabinete de Bolsonaro. A pasta é responsável por formular políticas nacionais. Pazuello foi nomeado em cargo de direcionamento e assessoramento superior (DAS), de nível 101.6. Ele vai receber R$ 16.944,90 ao mês.

As preocupações de Pazuello


O militar é alvo de processo disciplinar do Comando do Exército por participar de ato político com Jair Bolsonaro no Rio de Janeiro (RJ) em 23 de maio. Ele argumenta ter sido convidado pelo presidente para uma motocada.

Após ser acusado de mentir aos senadores que compõem a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da COVID-19, Pazuello foi reconvocado e terá que prestar novo depoimento.

Ele é citado, também, em inquérito do Ministério Público Federal (MPF) por causa da crise sanitária que ocasionou falta generalizada de oxigênio em Manaus (AM), em janeiro. O general pode ser indiciado por improbidade administrativa.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade