Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Fachin defende acordo para o Brasil 'sair da crise sem sair da democracia'

Ministro Luiz Edson Fachin, que assume a presidência do TSE em fevereiro, clama por um acordo suprapartidário: 'há mais parasitas do que hospedeiros', cravou


10/05/2021 08:59 - atualizado 10/05/2021 10:30

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Edson Fachin(foto: STF/Divulgação)
O ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Edson Fachin (foto: STF/Divulgação)

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Edson Fachin, será alçado à Presidência da suprema corte do país em fevereiro, ano que o Brasil irá às urnas para as eleições de 2022 para Presidência da República, governadores, senadores, deputados federais e estaduais.

 

Diante da coincidência no calendário, chama a atenção o fato de Fachin destacar a defesa de um acordo suprapartidário para o país sair das crise sanitária, econômica e social em que se encontra. 


Em entrevista à Ana Dubeux, do Correio Brazileinse, publicada no Blog CB.Poder, Fachin fala sofre os efeitos da pandemia na rotina do Judiciário, em especial, e na vida nacional.

"A pandemia da COVID-19 transformou o planeta numa espécie de sala de emergência. Transformou o presente. A humanidade está cindida entre o desejo e o querer. Depende racionalmente da ciência e, ao mesmo tempo, quiçá há quem sonhe com soluções mágicas", refletiu o ministro.

Olhar poético e religioso


Houve tempo, nessa entrevista, até para o olhar poético e religioso do ministro diante da vida. "Encontro conforto no escutar, no meditar, no contemplar e no orar em família, como também em boas leituras, a exemplo das obras que trazem o pensamento do professor Sidarta Ribeiro", comentou  Fachin.

 

Acordo Suprapartidário

 

Ao ser perguntado sobre os prejuízos causados pelo novo coronavírus no país, Fachin fez uma defesa veemente de 'um acordo suprrapartiário' para, na medida do possível,  mitigar os prejuízos deixados pela pandemia.

"É imprescindível (acordo suprapartidário). Lamentavelmente, há mais parasitas do que hospedeiros. O populismo totalitário ronda a democracia brasileira", avalia o ministro e futuro presidente do STF.


LEIA A ENTREVISTA NA ÍNTEGRA

 

 

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade