Publicidade

Estado de Minas 'FURA-FILA'

Ex-chefe da comunicação da SES-MG vai entregar folha de ponto à CPI

Exonerada em março, Virgínia Cornélio disse que servidores participantes de reunião vazada trabalharam em regime híbrido enquanto estiveram sob o comando dela


04/05/2021 17:58 - atualizado 04/05/2021 18:30

Integrantes e ex-integrantes do governo Zema têm precisado explicar vacinação de servidores da Saúde a deputados estaduais; na foto, a Cidade Administrativa(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
Integrantes e ex-integrantes do governo Zema têm precisado explicar vacinação de servidores da Saúde a deputados estaduais; na foto, a Cidade Administrativa (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press)
A ex-chefe da assessoria de comunicação da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) Virgínia Cornélio da Silva se comprometeu a entregar, a deputados estaduais, a folha de marcação de ponto dos dois servidores presentes à reunião que teve o áudio vazado em abril, quando ela já havia sido exonerada. Nesta terça-feira (4/5), ela depôs à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga, na Assembleia Legislativa, possíveis irregularidades na vacinação contra a COVID-19 de servidores administrativos da pasta.

Exonerada em março, a jornalista argumenta que, sob a gestão dela, apenas quatro servidores faziam teletrabalho. Outros estavam inseridos em um regime híbrido, com idas em revezamento às atividades presenciais. Dois deles participaram da reunião cujo áudio se tornou público.

Na gravação, quando o comando da comunicação já estava com Everton Luiz de Souza, o então chefe de gabinete da SES-MG, João Márcio Silva de Pinho, sugere que dois servidores em home office voltassem ao trabalho presencial.

Por isso, para comprovar sua versão, Virgínia prometeu encaminhar, aos parlamentares, documento detalhando o expediente seguido pela dupla durante o período em que ela os liderou.

No áudio, João Pinho dá a entender que, assim, a dupla passaria a contar como integrantes do expediente físico em documento a ser enviado ao Ministério Público de Minas Gerais (MPMG).

O órgão pediu que a secretaria detalhasse o regime adotado por vacinados à época da aplicação da primeira dose e, também, à época da reunião vazada.

À CPI, Virgínia garantiu que, quando era chefe da comunicação da Saúde estadual, os dois servidores que conversam com João Pinho e Everton na gravação seguiam regime de revezamento.

“A interpretação que posso fazer diante do áudio é a seguinte: enquanto eles estavam sob minha chefia e tomaram a primeira dose, faziam trabalho híbrido. Só quatro pessoas faziam teletrabalho, por uma justificativa importante”, disse.

“Na primeira dose, na minha gestão, era híbrido. Se eles voltaram ao teletrabalho por conta própria até a chegada do novo assessor e de um novo acordo, e iriam tomar a segunda dose, não sei como explicar”, completou.

Virgínia alega não ter sido responsável por escolher os servidores da comunicação contemplados com as doses. Ela diz que foi orientada a detalhar os regimes de trabalho adotados por seus comandados.

“Fiquei surpresa com o áudio. O próprio ponto mostrava que esses dois faziam híbrido”.

Nessa segunda-feira (3/5), João Pinho foi ouvido pelos parlamentares e precisou explicar a sugestão dada a subordinados. Ele confirmou que propôs a volta ao expediente normal, mas disse que a ideia não foi pensada para atrapalhar a apuração do MPMG.

Visitas a campo influenciaram opção por regime híbrido


Virgínia Cornélio chegou ao governo mineiro no ano passado. Ela ficou um ano no serviço público e contou aos deputados que, quando tomou posse, se deparou com toda a equipe de comunicação em home office. A necessidade de trabalhos presenciais, contudo, motivou a adoção de uma escala.

“Nesse revezamento, quando agravava a pandemia ou tinha um possível surto na secretaria, iam menos pessoas à secretaria”, pontuou.

“Estivemos na linha de frente? Vários. Eu mesma fui a Coromandel. A gente falava até que era um ‘covidário’. Tenho um filho com bronquite asmática. Meu pai, que me ajuda com meus filhos, tem problemas de pressão. Vivi dias horríveis. Fui a Coromandel a trabalho. Entrei em um hospital e falavam: ‘prende a respiração. Aqui você não pode encostar em nada”, lembrou, em menção à visita à cidade do Sul de Minas, em janeiro, feita por uma comitiva liderada por Carlos Eduardo Amaral, então secretário de Saúde.

Aos parlamentares, Virgínia relatou situação que contou ao Estado de Minas à época de sua exoneração. “Tenho várias pessoas da minha equipe que necessitavam ir à campo, faziam trabalho presencial e faziam teletrabalho. Não dava para ir todo mundo todos os dias. Além disso, havia servidores que se recusavam a voltar (ao trabalho presencial), pois estavam com medo da doença.”.

A profissional de comunicação crê que sua demissão tenha ocorrido por causa da saída de Amaral e da consequente chegada de Fábio Baccheretti. Na visão dela, o novo secretário optou por nomear pessoas que já o assessoravam.

Relator garante que não há caça às bruxas


Nesta terça-feira, os trabalhos da CPI do “fura-fila” foram intensos. Quem também depôs foi Janaína Fonseca Almeida, diretora de Vigilância e Agravos Transmissíveis.

Ela contou que, por causa do risco de perda de doses, 35 servidores da Central de Rede de Frios foram vacinados no Aeroporto de Confins, na Regiao Metropolitana da Capital.

A imunização em série ocorreu após o ato simbólico que marcou o início da campanha contra a COVID-19 no estado, em janeiro.

O relator da CPI, Cássio Soares (PSD), explicou que os deputados estaduais tentam apenas conectar informações relevantes sobre a vacinação em solo mineiro.

“Não estamos aqui fazendo nenhuma caça às bruxas, e sim esclarecendo algo que nos pareceu muito equivocado”, sustentou.

A reunião desta terça foi marcada, ainda, por bate-boca entre parlamentares, por causa de menções a Luiz Humberto Carneiro (PSDB), deputado vítima da COVID-19.

Na quinta-feira (6/5), vai depor o ex-secretário adjunto de Saúde Luiz Marcelo Cabral Tavares. Na próxima terça-feira (11/5), o ex-secretário Carlos Eduardo Amaral será interrogado.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade