Publicidade

Estado de Minas DIPLOMACIA

Chanceler ligou para embaixador chinês após fala de Guedes sobre vírus

Carlos França agiu rapidamente para tentar conter os estragos das falas do ministro da Economia em relação à China


28/04/2021 16:18

Ministro das Relações Exteriores precisou conter estragos após fala de Paulo Guedes sobre a China(foto: Marcos Corrêa/PR)
Ministro das Relações Exteriores precisou conter estragos após fala de Paulo Guedes sobre a China (foto: Marcos Corrêa/PR)
O ministro das Relações Exteriores, Carlos França, conversou nesta quarta-feira (28/4) com o embaixador chinês no Brasil, Yan Wanming. A conversa ocorreu um dia após o ministro Paulo Guedes disparar contra o país asiático dizendo que a China "inventou o vírus" e que, mesmo assim, teria uma vacina menos eficaz que os Estados Unidos. Ele também revelou uma conversa recente com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, para falar sobre vacinas.

"Em conversa telefônica com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, fiz dois pedidos: que (a China) apoiasse a aquisição pelo Brasil de 30 milhões de doses da vacina da Sinopharm, para entrega ainda no segundo trimestre deste ano; e que nos auxiliasse no fornecimento de IFAs (Ingredientes Farmacêuticos Ativos) com vistas à produção no Brasil de um total de 60 milhões de doses da vacina Oxford-AstraZeneca", disse o ministro, em discurso na Comissão de Relações Exteriores da Câmara dos Deputados.

Ele defendeu que a China é um grande parceiro e afirmou que o ministro comprometeu-se a fazer tudo o que estivesse a seu alcance para cooperar. "Reservará e fornecerá ao Brasil, o quanto antes, quota maior de IFAs para a produção da vacina Oxford-AstraZeneca. Ressaltou, na ocasião, que abril seria mês crítico na China, e que precisam acelerar a vacinação interna. Mas afiançou que, em maio e junho, haverá grande aumento da produção de IFAs naquele país", detalhou.

Em seu perfil no Twitter, o embaixador Yang Wanming disse que conversou com o chanceler brasileiro na manhã de hoje. "Nesta manhã, conversei, por telefone, com o Chanceler brasileiro Sr. França. Concordamos em reforçar ainda mais a confiança política mútua num ambiente sadio e amigável, implementar os consensos entre os chanceleres, e continuar a nossa parceira de vacinas", disse ele, ao publicar uma foto de 2019 em que aparece ao lado de França.


Logo após a fala de Guedes, na terça-feira (27), Wanming chegou a responder às críticas, sem citar o ministro: "Até o momento, a China é o principal fornecedor das vacinas e dos insumos ao Brasil, que respondem por 95% do total recebido pelo Brasil e são suficientes para cobrir 60% dos grupos prioritários na fase emergencial. A CoronaVac representa 84% das vacinas aplicadas no Brasil", disse ele no Twitter.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade