Publicidade

Estado de Minas POLÍTICA

MDB não prorroga mandato de Newton Júnior à frente do partido em MG

Em meio a queixa de deputados federais e estaduais, legenda criou comissão para definir rumos no estado


28/04/2021 19:40 - atualizado 28/04/2021 22:05

Deputado federal Mauro Lopes (foto) é uma das figuras contrárias ao alongamento do mandato de Newton Cardoso Júnior sem nova eleição(foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 22/3/2018)
Deputado federal Mauro Lopes (foto) é uma das figuras contrárias ao alongamento do mandato de Newton Cardoso Júnior sem nova eleição (foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 22/3/2018)
A Executiva nacional do MDB optou, nesta quarta-feira (28/4), por não prorrogar o mandato do deputado federal Newton Cardoso Júnior à frente do diretório do partido em Minas Gerais. O parlamentar quer permanecer no posto até o ano que vem, por causa das eleições gerais. A resistência de integrantes das bancadas da legenda na Câmara dos Deputados e na Assembleia Legislativa, contudo, freou os planos. O grupo faz diversas queixas à gestão de Cardoso Júnior.

Para aparar as arestas criadas pelo imbróglio e definir os rumos do MDB mineiro, a direção nacional criou uma comissão para debater o tema. Além de Cardoso Júnior, vão participar do colegiado o também congressista mineiro Hercílio Coelho Diniz, o secretário de Governo da Prefeitura de Belo Horizonte, Adalclever Lopes, e o ex-suplente de senador Wellington Salgado. A coordenação dos trabalhos ficará a cargo de Romero Jucá, que foi senador por Roraima. O grupo agendou reunião para maio, com o objetivo de dar sequência à discussão em torno do tema.

A ala antagônica ao atual presidente quer a realização de nova eleição em julho, quando o mandato dele termina.

O Estado de Minas apurou que, enquanto Newton Cardoso Júnior tentava convencer os integrantes da Executiva a estender seu mandato, os opositores defenderam que a medida não fosse aplicada.

O presidente enviou, aos correligionários, uma carta justificando a necessidade de sua manutenção no cargo (Leia mais sobre isso ao longo deste texto).

Em março, dois deputados federais mineiros e sete integrantes da Assembleia Legislativa endereçaram, ao presidente nacional do MDB, Baleia Rossi (SP), ofício pedindo que o mandato de Newton Júnior, filho do ex-governador mineiro Newton Cardoso, não fosse alongado.

O grupo diz que o presidente estadual tem “estilo absolutista” e não reúne a Comissão Executiva do MDB para tomar decisões. Essa ala alega, também, que Cardoso Júnior utiliza o diretório mineiro como “extensão do gabinete parlamentar” mantido por ele na Câmara dos Deputados. Outra queixa recorrente diz respeito ao relacionamento com as bancadas federal e estadual.

Interlocutores ligados ao partido afirmam que a relação entre Cardoso Júnior e os parlamentares do partido é distante. A comissão criada nesta quarta tem, como um dos objetivos, fortalecer o diálogo com integrantes do Legislativo que representam o MDB.

“Se ele (Newton Cardoso Júnior) ganhar, tudo bem. Mas tudo indica que ele não ganha a eleição. Ele está levando o partido só para proveito próprio e não tem trabalhado pelo coletivo”, garantiu, nessa terça (27), o deputado federal Mauro Lopes, um dos signatários do texto com queixas à atual gestão.

Uma fonte consultada pela reportagem classificou a gestão de Cardoso Júnior como “isolacionista”. A avaliação é que tal postura traz prejuízos eleitorais ao MDB mineiro. Há certo descontentamento com o desempenho em 2020: foram 98 prefeituras conquistadas, ante 164 em 2016.

A decisão desta quarta foi interpretada de maneiras distintas. O grupo opositor a Cardoso Júnior celebrou a decisão. A assessoria do atual presidente, contudo, destaca que a decisão final só será tomada, mesmo, em maio.

Cardoso Júnior aponta ação de “forças externas” ao MDB


No documento em que pede, à direção nacional do partido, a extensão do mandato da gestão estadual, Newton Cardoso Júnior diz que “forças externas” aos quadros emedebistas tentam influenciar os rumos da agremiação.

“Ainda que forças externas, não originadas do MDB, tentem influenciar os caminhos do partido, há uma visão majoritária que privilegia o diálogo e a formação de consensos internos. É esta harmonia que busco o tempo todo na condição de presidente do diretório de MG”, afirma ele, em trecho do texto.

Uma das justificativas apresentadas é o apoio da maioria dos delegados estaduais e de parte dos integrantes do diretório nacional. O tópico é parte, também, das alegações de seus opositores, que pedem a suspensão das convenções municipais por acreditarem que os eventos têm servido apenas para a “eleição de delegados direcionados à perpetuação da atual gestão”.

Executiva nacional diretórios estaduais tiveram mandatos prorrogados


A prorrogação dos mandatos têm sido prática recorrente no partido. Em fevereiro, sem a necessidade de nova eleição, Baleia foi reconduzido à presidência nacional até julho do próximo ano. Diretórios de estados em que problemas não foram constatados também receberam a mesma prerrogativa.

Apesar de a Executiva nacional emedebista não ter prorrogado o mandato da comissão estadual em Minas, a vigência de gestões municipais foi alongada até o fim de maio.

Opositores de Newton Cardoso Júnior, contudo, alegam que os atos não seguiram o estatuto do partido. Leonídio Bouças, líder do MDB na Assembleia Legislativa, foi  ao Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) solicitar a suspensão das extensões, argumentando que Cardoso Júnior tomou a decisão unilateralmente.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade