Publicidade

Estado de Minas ELEIÇÕES 2022

'Não estou preocupado com o Lula', diz Bolsonaro sobre eleições de 2022

Presidente também afirmou que não se preocupa com a CPI da COVID no Senado e diz que 'não deve nada'


26/04/2021 15:19 - atualizado 26/04/2021 15:41

Ao falar sobre a CPI, Bolsonaro foi sucinto e afirmou que não está preocupado com a instalação da investigação amanhã (27/4)(foto: Alan Santos/PR)
Ao falar sobre a CPI, Bolsonaro foi sucinto e afirmou que não está preocupado com a instalação da investigação amanhã (27/4) (foto: Alan Santos/PR)
O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) voltou, nesta segunda-feira (26/4), a falar sobre as eleições presidenciais de 2022 e afirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), possível candidato no pleito, não incomoda. Bolsonaro também diz que não se preocupa com a CPI da COVID.

“Eu não estou preocupado com o Lula. Minha preocupação é com o Brasil. Se a pessoa votar em pessoa com o passado de Lula, essa é uma pessoa que não entende nada de política e nem da liberdade dele. Veja os outros países da América Latina onde a turma do Foro de São Paulo voltou”, disse.

Leia: 'Não estiquem a corda mais do que está esticada', diz Bolsonaro

Ao falar sobre a CPI, Bolsonaro foi sucinto e afirmou que não está preocupado com a instalação da investigação nesta terça-feira (27/4). “Não estou preocupado porque não devemos nada”, afirmou.

Bolsonaro está visitando a Bahia. Ele voltou a criticar os governadores e, mais uma vez, ameaçou usar os militares para impedir a adoção de medidas restritivas. Segundo ele, o papel das Forças Armadas é garantir o cumprimento da Constituição.

Leia: Casa Civil lista 23 acusações contra governo que podem ser usadas na CPI

A CPI


Criada para investigar as ações e omissões do governo federal na pandemia e para fiscalizar a aplicação de recursos federais por estados e municípios, a CPI da COVID tem dois principais alvos: o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello.
 
A CPI foi instalada pelo presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, por determinação do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso, e depois confirmada pelo plenário da Corte.

A primeira reunião está prevista para ocorrer nesta terça-feira (27/4).



receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade