Publicidade

Estado de Minas EX-CHANCELER

'Querido chefe': leia a carta de demissão de Ernesto Araújo para Bolsonaro

Ex-chanceler diz que colocou o Itamaraty 'a serviço de um sonho' e que foi vítima 'de uma narrativa hipócrita'


29/03/2021 22:31 - atualizado 29/03/2021 22:47

Ex-chanceler Ernesto Araújo era um dos poucos ministros do governo que permaneciam no cargo desde 2018(foto: Marcos Correa/PR - 16/05/2019)
Ex-chanceler Ernesto Araújo era um dos poucos ministros do governo que permaneciam no cargo desde 2018 (foto: Marcos Correa/PR - 16/05/2019)

 

Após pedir demissão do Ministério das Relações Exteriores, Ernesto Araújo publicou uma carta endereçada a Jair Bolsonaro (sem partido) na noite desta segunda (29/3). Ele tratou o presidente de “querido chefe” e se disse vítima de uma “narrativa falsa e hipócrita”.

 

O ex-chanceler negou que a diplomacia comandada por ele atrapalhou a compra de vacinas e insumos pelo Brasil durante a pandemia, ainda que o governo tenha entrado em conflito com a China em diversas oportunidades.

 

 

 

"Ergueu-se contra mim uma narrativa falsa e hipócrita a serviço de interesses escusos nacionais e estrangeiros, segundo a qual minha atuação prejudicaria a obtenção de vacinas", escreveu Ernesto Araújo no texto publicado em suas redes sociais.

 

O ex-chefe do Itamaraty também alegou que “correntes que querem de volta o poder” visam a escravização do ser humano e levaram o Brasil a décadas de “atraso, corrupção e desgraça”.

 

Ernesto Araújo também chamou o governo Bolsonaro de “transformação nacional” e afirmou que vai se dedicar ao povo brasileiro “até o fim” dos seus dias.

 

Ernesto Araújo sofria há várias semanas pressões do Congresso Nacional diante da inércia do Brasil para comprar imunizantes contra a COVID-19.

 

O estopim do desentendimento entre as partes aconteceu nesse domingo (28/3), quando Ernesto acusou a senadora Kátia Abreu (Pros-TO) de pressionar a favor da China no leilão da tecnologia 5G, que deve acontecer neste ano.

 

Katia Abreu preside a Comissão de Relações Exteriores do Senado. A tentativa de desqualifica-la foi percebida pelos senadores como um ataque de Araújo ao Congresso, o que deixou sua permanência no Itamaraty insustentável.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade