Publicidade

Estado de Minas PANDEMIA

Para divulgar Bolsonaro como pró-vacina, Planalto omite fala de Mandetta

Ao reproduzir tuíte do presidente de março de 2020, Secretaria de Comunicação da Presidência cortou o vídeo do então Ministro da Saúde defendendo a vacinação


22/03/2021 14:33 - atualizado 22/03/2021 15:22

Bolsonaro e Mandetta durante a primeira coletiva de imprensa para falar sobre a pandemia de COVID-19 no Brasil(foto: Agência Brasil/Reprodução)
Bolsonaro e Mandetta durante a primeira coletiva de imprensa para falar sobre a pandemia de COVID-19 no Brasil (foto: Agência Brasil/Reprodução)
A Secretaria de Comunicação da Presidência (Secom) cometeu uma gafe ao divulgar uma thread no Twitter para convencer a população que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) investe em vacinas contra a COVID-19 desde março de 2020. As publicações foram feitas no domingo (21/03).

Ao citar um tuíte feito por Bolsonaro, a Secom cortou um vídeo publicado pelo presidente no qual o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta falava sobre a primeira pessoa vacinada no mundo.

“A vacina contra a COVID-19 foi testada em humanos pela primeira vez. Os testes aconteceram nos EUA”, escreveu Bolsonaro junto ao vídeo.
 
Nas imagens, Mandetta falava sobre o início dos testes da vacina.

“Nos temos algumas boas notícias, hoje a primeira paciente, voluntária, nos Estados Unidos, testou a vacina e foi a primeira pessoa a fazer o uso de uma vacina. Vamos ver como ela vai se comportar. Se a ciência vai conseguir. Vacinas não são soluções fáceis, mas são a melhor solução para lidar com o vírus. Nós só teremos paz quando tivermos uma vacina”, declarou o ex-ministro.
 
 


Veja o post original:

Post feito por Jair Bolsonaro em março de 2020(foto: Twitter/Reprodução)
Post feito por Jair Bolsonaro em março de 2020 (foto: Twitter/Reprodução)

Veja o post publicado pela Secom:

Um ano depois, post feito pela Secom excluindo a fala de Mandetta(foto: Twitter/Reprodução)
Um ano depois, post feito pela Secom excluindo a fala de Mandetta (foto: Twitter/Reprodução)

Excluindo o vídeo de Mandetta, que saiu brigado com Bolsonaro do Ministério da Saúde, a Secom seguiu publicando tuítes tentando comprovar que Jair Bolsonaro é pro-vacina.
 
 

Desde o início da pandemia, Bolsonaro vem adotando posicionamentos negacionistas. Entre eles, negar a existência do vírus, não comprar vacinas, não utilizar equipamentos de segurança e incentivar o uso de remédios sem eficácia comprovada. 
 
 

Demissão

 
Mandetta foi demitido pelo presidente em abril de 2020. Ele estava à frente da pasta desde o início do governo, em janeiro de 2019, e ganhou maior visibilidade com a crise provocada pelo novo coronavírus. 
 
A demissão aconteceu após Bolsonaro e Mandetta manifestarem divergências públicas em razão das estratégias para conter a velocidade do contágio da COVID-19. O médico era a favor do isolamento social e das medidas de proteção contra doença. 
 
Outro ponto foi o uso de remédios sem éficacia cientificamente comprovada. Bolsonaro queria que Mandetta apoiasse o uso de cloroquina. Por ser médico,o ex-ministro não quis implantar o remédio no Sistema Único de Saúde (SUS), depois da comprovação da sua ineficácia contra o vírus. 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade