UAI
Publicidade

Estado de Minas GOVERNO FEDERAL

Governo Bolsonaro é visto como mais militar do que civil, aponta pesquisa

Paraná Pesquisas questionou sobre participação de militares no governo federal


08/03/2021 09:59 - atualizado 08/03/2021 10:13

Governo Bolsonaro se caracterizou pelo número de militares em cargos de alto escalão(foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)
Governo Bolsonaro se caracterizou pelo número de militares em cargos de alto escalão (foto: Marcos Corrêa/Presidência da República)
A forte presença de militares no governo federal foi tema de um levantamento feito pela Paraná Pesquisas. O instituto abordou diversos pontos relacionados à gestão do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), e a ligação com o Exército Brasileiro. Dos 23 ministros, nove têm formação militar, além de outros postos, como Vice-Presidência da República e chefia de algumas estatais.

Em primeira avaliação, 50% dos entrevistados acreditam que a participação das Forças Armadas no governo é positiva. Outros 36,4% apontam como negativa, enquanto 7,8% acreditam ser indiferente e outros 5,8% não sabem ou não opinaram.

Se essa participação compromete a imagem dos militares, 53,6% responderam que não, enquanto 40,7% disseram que sim. Um restante de 5,7% não sabem ou não opinaram. Já no contrário, se a presença das Forças Armadas afeta a imagem da atual gestão, 55,1% afirmam que não, 39,1% dizem que sim e 5,8% não sabem ou não opinaram.

A Paraná Pesquisas questionou se a presença do Exército no governo significa um risco de golpe militar. Para 62,1% dos entrevistados, não, enquanto 31,5% vêem essa possibilidade. Outros 6,4% não responderam ou não sabem dizer.

Sobre o tom do governo, 49,8% acredita ser mais autoritário com a presença de militares. Uma parcela de 44,8% discorda, e 5,4% não sabem ou não opinaram. Já para 56,9% o governo é mais militar do que civil, enquanto 34,9% considera o contrário e 8,2% não sabem ou não opinaram.

Sobre a influência dessa presença militar no voto, 40,3% afirmam que causa uma influência positiva, enquanto 34,7% dizem que gera uma influência negativa. Outros 19,2% dizem que não há influência dessa presença no voto, enquanto 5,8% não souberam responder.

Sobre a atuação dos militares na pandemia, 53,5% consideram positiva, enquanto 25,3% vêem de forma negativa, 14,3% indiferentes e 6,9% não sabem dizer. Sobre a atuação de Eduardo Pazuello, ministro da Saúde, relacionada à crise de COVID-19, 44,3% consideram negativa, 32,7% positiva, 13,5% indiferente e 9,6% não opinaram.

Por fim, sobre a escolha de um general (Joaquim Silva e Luna) como presidente da Petrobras, 41,1% consideram negativa, enquanto 40,2% acham positivo, 10,1% indiferente e 8,6% não sabem ou não opinaram.

A pesquisa foi realizada entre 25 de fevereiro deste ano e a última segunda-feira (01/03) e divulgada na sexta-feira (05/03). Foram ouvidos 2020 habitantes espalhados por 194 cidades brasileiras. Eles foram entrevistados pelo telefone, informa a Paraná Pesquisas, e a margem de erro é de 2%.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade