Publicidade

Estado de Minas COMPRA DOS IMUNIZANTES

Vice-prefeita de Divinópolis diz que consórcio de vacinas é 'político'

Município aderiu ao movimento liderado pela Frente Nacional de Prefeitos, mas afirma que não há imunizantes para venda e por isso 'não é real'


05/03/2021 21:16 - atualizado 05/03/2021 21:31

A vice-prefeita disse que não há vacinas disponíveis para os municípios comprarem.(foto: Pablo Santos/PMD)
A vice-prefeita disse que não há vacinas disponíveis para os municípios comprarem. (foto: Pablo Santos/PMD)

A vice-prefeita de Divinópolis, região Centro-Oeste de Minas Gerais, Janete Aparecida (PSC). classificou o consórcio público para compra de vacinas contra a COVID-19 como “político”. A declaração foi feita nesta sexta-feira (05/03), na coletiva de imprensa que detalhou as novas normas restritivas decretadas na cidade. Mesmo com a posição, o município aderiu ao movimento liderado pela Frente Nacional dos Prefeitos (FNP).

 

O consórcio dará suporte aos municípios caso o Plano Nacional de Imunização (PNI), do governo federal, não consiga suprir a demanda nacional. Além de vacina, poderão ser adquiridos insumos, equipamentos para o tratamento contra a doença. O prazo de inscrição terminou nesta sexta-feira (05/03).  A ideia não é de compra imediata, mas para ter segurança jurídica caso o PNI não supra toda a demanda.

 

Divinópolis deixou a inscrição para a última hora. Mesmo se inscrevendo, a vice-prefeita desdenhou a mobilização. “Infelizmente, é muito mais político do que real. Porque não existe vacina para comprar. A gente só pode comprar a vacina na hora que sobrar nos laboratórios (...) Nós nos inscrevemos para que, se houver a compra, a gente entrar. Mas, infelizmente não é um fato real”, afirmou. Janete disse também que o processo de inscrição deixa várias dúvidas.

 

Ela ainda comparou o cadastro ao memorando assinado pelo então prefeito Galileu Machado (MDB) com o Instituto Butantan. “É só uma inscrição que fica da mesma maneira daquela carta anterior que o prefeito Galileu tinha feito”, comparou.

 

A vice-prefeita assegurou que o município tem cerca de R$5 milhões reservados para a compra do imunizante, caso tenha disponível no mercado. “A única garantia que a gente dá para a população de Divinópolis é que hoje o valor que temos reservado, são quase R$5 milhões, estamos tentando fazer economia para reservar mais dinheiro. Tendo vacina para comprar, nós vamos comprar”, declarou. Ela ainda cogitou um empréstimo. “O que a gente precisar de fazer, a gente vai fazer, só que para isso precisa ter vacina disponível”, concluiu.

 

Projeto protocolado

 

O líder do executivo, o vereador Edsom Sousa (MDB) antecipou-se ao Executivo e protocolou, nesta sexta-feira (05/03), projeto autorizativo para o município integrar o consórcio. “Em reunião virtual realizada pela FNP no dia 1º de março de 2021, ficou estabelecido que cada município tem até o dia 19 de março para aprovarem, nas suas respectivas Câmaras, o projeto de lei que a permite a participação conjunta na aquisição de imunizantes”, afirmou. 

 

Vacinômetro

 

Divinópolis recebeu até o momento 16.892 doses de vacinas, segundo o vacinômetro da Secretaria de Estado de Saúde (SES). Foram aplicadas 12.705 doses entre a primeira e segunda. 4.550 pessoas receberam a segunda aplicação do imunizante. A maior parte das doses aplicadas ficou para os profissionais de saúde (9.873). 550 idosos que vivem em casas de longa permanência foram imunizados e 14 pessoas com deficiência institucionalizadas.


Foram aplicadas 1.297 doses em idosos com 90 anos ou mais; 381 naqueles de 88 e 89 anos e 590 de 85 a 87 anos. 

 

*Amanda Quintiliano especial para o EM

 

 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade