Publicidade

Estado de Minas CRIMES DE RESPONSABILIDADE

Lideranças religiosas protocolam pedido de impeachment contra Bolsonaro

Presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia já recebeu 61 ações desse tipo contra Jair Bolsonaro; 56 destes pedidos ainda estão ativos


26/01/2021 18:52

Pedido é baseado em denúncia de crimes de responsabilidade na área de saúde e de políticas sanitárias(foto: Evaristo Sá/AFP)
Pedido é baseado em denúncia de crimes de responsabilidade na área de saúde e de políticas sanitárias (foto: Evaristo Sá/AFP)
Representantes católicos e evangélicos levaram até a Câmara nesta terça-feira, 26, mais um pedido de impeachment contra o presidente da República Jair Bolsonaro. "Temos a consciência de quem nem todas as pessoas das nossas igrejas são favoráveis a esse ato que estamos fazendo, mas é importante destacar essa pluralidade e as contradições que existem no âmbito do Cristianismo. Nem todo Cristianismo é bolsonarista", afirmou a pastora Romi Márcia Bencke, representante do Conselho Nacional das Igrejas Cristãs do Brasil.

O pedido de impeachment é assinado por religiosos críticos ao governo. Na lista estão padres católicos, anglicanos, luteranos, metodistas e também pastores. Embora sem o apoio formal das igrejas, o grupo tem o respaldo de outras organizações como a Comissão Brasileira Justiça e Paz da Confederação Nacional de Bispos do Brasil (CNBB) e a Aliança de Batistas do Brasil.


A presidente do PT, Gleisi Hoffmann (RS), o líder da Minoria na Câmara, José Guimarães (PT-CE) e o da Minoria no Congresso, Carlos Zarattini (SP) também participaram do evento. Eles devem apresentar nesta quarta-feira, 27, outro pedido de impeachment contra Bolsonaro, assinado em parceria com demais partidos da oposição.

A decisão de dar ou não o pontapé inicial no impeachment cabe ao presidente da Câmara, que também pode engavetar os pedidos - desde o início do mandato de Bolsonaro foram protocoladas 61 ações desse tipo contra ele, das quais 56 estão ativas.

No pedido formalizado nesta terça, os líderes religiosos acusam o presidente de agravar a crise do coronavírus e, consequentemente, o número de mortes. Para eles, Bolsonaro cometeu crime de responsabilidade e desrespeitou princípios constitucionais e o direito à vida e à saúde. Mais de 200 mil pessoas já morreram em decorrência de COVID-19.


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade