Publicidade

Estado de Minas Assistência

Governo faz empréstimo de US$ 1 bilhão para bancar Bolsa-Família

Governo brasileiro toma empréstimo equivalente a R$ 5,7 bilhões com o Banco Mundial para ampliar programa social no ano que vem, quando os mais pobres ficam sem auxílio


31/10/2020 04:00 - atualizado 31/10/2020 08:25

Recursos permitirão pagar o benefício para 1,2 milhão de famílias pobres no país (foto: Edílson Rodrigues/CB/D.A Press - 29/04/2010)
Recursos permitirão pagar o benefício para 1,2 milhão de famílias pobres no país (foto: Edílson Rodrigues/CB/D.A Press - 29/04/2010)
O governo brasileiro tomou um empréstimo de US$ 1 bilhão (cerca de R$ 5,7 bilhões na cotação atual) com o Banco Mundial. O recurso será usado na ampliação do Bolsa-Família em 2021, conforme informou ontem o Banco Mundial. “O projeto financiará a ampliação do programa, e expandirá a proteção para ao menos 1,2 milhão de famílias pobres que continuarão a precisar de apoio após o fim do auxílio emergencial", informou o Banco Mundial.

A instituição considera a ampliação do Bolsa-Família importante, “uma vez que as medidas de auxílio emergencial têm prazo para expirar, e o mercado de trabalho continua devagar”. Além disso, o Banco Mundial lembrou que “a recuperação da crise do novo coronavírus deve acontecer de maneira gradual e desigual, com milhares de famílias a mais precisando de ajuda em 2021”, o que pode aumentar a pobreza no país em 2021.

“Essa parceria com o Banco Mundial nos permitirá incluir famílias que se tornaram temporariamente pobres ou que não estavam cadastradas no programa anteriormente,” disse o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, ao Banco Mundial. A expectativa é que 3 milhões de pessoas, incluindo 990 mil crianças e jovens e 7 mil indígenas, estejam entre os 1,2 milhão de famílias que poderão ser incluídas no Bolsa-Família por meio desses recursos. Com isso, o número de famílias atendidas pelo programa de transferência de renda deve chegar a 15,2 milhões.

Essa é a mesma previsão apresentada pelo governo no Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2021, que prevê a destinação de R$ 34,8 bilhões para o atendimento de 15,2 milhões de famílias pelo Bolsa-Família no próximo ano, mas não destina nada para o Renda Brasil.

''Essa parceria com o Banco Mundial nos permitirá incluir famílias que se tornaram temporariamente pobres ou que não estavam cadastradas no programa anteriormente''

Onyx Lorenzoni, ministro da Cidadania


O financiamento com o Banco Mundial, por sinal, foi acordado em meio ao impasse sobre a fonte de recursos do Renda Brasil. O governo e o Congresso ainda não encontraram uma forma de bancar o programa que o presidente Jair Bolsonaro gostaria de criar para substituir o Bolsa-Família e o auxílio emergencial em 2021. Por isso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, já vem avisando que, se não houver solução dentro do teto de gastos, acha melhor deixar o Renda Brasil para depois e voltar ao Bolsa-Família em 2021.

Investimento


Ontem, Guedes também disse, em reunião com o setor industrial, que “o que reduz desigualdade social é investimento”. A ideia é que, ao movimentar a economia, os investimentos produtivos gerem emprego e renda e, consequentemente, reduzam a necessidade de programas sociais como o Bolsa- Família e o auxílio emergencial.

O ministro indicou ainda que o governo também estuda usar os recursos de organismos internacionais como o Banco Mundial para estimular os investimentos no país. Afinal, hoje o governo não tem caixa para elevar os investimentos públicos e os empresários brasileiros têm se queixado das taxas de juros de longo prazo, que subiram diante das incertezas do mercado em relação ao rumo das contas públicas brasileiras.

Esses organismos internacionais, por outro lado, têm caixa e ainda costumam oferecer taxas mais baratas. Por isso, além da parceria com o Banco Mundial, há uma expectativa de ampliação da carteira brasileira no Banco dos Brics, o Novo Banco de Desenvolvimento (NDB), que passou a ser comandado pelo brasileiro Marcos Troyjo, ex-secretário de Comércio Exterior do Ministério da Economia, neste ano.

Guedes garantiu aos empresários do setor industrial, contudo, que está confiante na vinda de investidores estrangeiros para o país no próximo ano. Isso porque o ministro vê uma recuperação acelerada da economia brasileira após o choque da COVID-19, e acredita que o país vai tirar as reformas econômicas do papel, passando mais confiança a esses investidores.





receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade