Publicidade

Estado de Minas ELEIÇÕES 2020

Cabo Xavier diz que se inspira em prefeito de Colatina (ES): 'Capina lote, pinta ruas'

Candidato à Prefeitura de Belo Horizonte pelo Partido da Mulher Brasileira aposta na 'simplicidade' e afirma desconhecer 'dados técnicos' como o orçamento da capital


30/10/2020 16:59 - atualizado 30/10/2020 17:37

Cabo Xavier, candidato do Partido da Mulher Brasileira à Prefeitura de Belo Horizonte(foto: Túlio Santos/EM/D. A. Press)
Cabo Xavier, candidato do Partido da Mulher Brasileira à Prefeitura de Belo Horizonte (foto: Túlio Santos/EM/D. A. Press)
“Honestidade, boa vontade política, simplicidade e amor”. Essas são as diretrizes citadas por Cabo Xavier, candidato do PMB à Prefeitura de Belo Horizonte nas Eleições 2020. Com promessas de criação de um banco municipal de desenvolvimento econômico, monotrilho, entre outras, o militar de 48 anos que concorre pela primeira vez ao cargo de prefeito da capital afirmou que desconhece o valor do orçamento municipal, que classificou como ‘dado técnico’ que ficarão a cargo de sua ‘equipe técnica’.

Em entrevista aos Diários Associados (EM, Alterosa e Uai) Xavier disse que sua inspiração é Sérgio Meneguelli (Republicanos), prefeito de Colatina, no interior do Espírito Santo, que abdicou das regalias e ajuda em atividades simples na cidade, como capina de lotes e pintura de ruas.

“Cito o exemplo do prefeito de Colatina, o Sérgio, que abriu mão das regalias. Capina lote, ajuda a pintar as marquises das ruas, viadutos, cuida dos jardins, com simplicidade. Essa pessoa é meu referencial. É o que eu quero ser para BH. Sem muita firula, sem muita coisa técnica. Com simplicidade. Colatina hoje é referência no mundo. Está entregando a prefeitura com superávit”, declarou o candidato. 

Citada por Cabo Xavier como ‘referência no mundo’, Colatina fica no Noroeste do Espírito Santo. Tem aproximadamente 123 mil habitantes e densidade demográfica de 78,90 habitantes/km2, segundo o IBGE.

A cidade capixaba registra um índice de desenvolvimento humano (IDH) de 0,746 e ocupa a 5ª posição no ranking estadual, atrás de Vitória (0,845), Vila Velha (0,800), João Neiva (0,753) e Aracruz (0,752). A taxa de mortalidade infantil na cidade é de 12,94 óbitos por mil nascidos vivos.

A título de comparação, Belo Horizonte tem 2,5 milhões de habitantes e densidade demográfica de 7.167,00 hab/km2. A capital mineira tem IDH de 0,810, segundo maior de Minas Gerais, atrás de Nova Lima (0,813). O índice de mortalidade infantil em BH é de 9,99 óbitos por mil nascidos vivos.

Cabo Xavier foi indagado sobre a diferença entre a complexidade dos problemas entre as duas cidades e se Colatina pode ser usada como exemplo de administração para Belo Horizonte e respondeu: “E por que não? O que eu me proponho não é sair capinando Belo Horizonte, mas ser simples e economizar a máquina pública. Quando eu me referencio nele, falo da sua transparência, honestidade e vontade de fazer. E a coisa deu certo”.

Simplicidade x dados técnicos

O candidato do PMB afirmou diversas vezes durante a entrevista que a simplicidade e a vontade de fazer serão algumas de suas armas para administrar Belo Horizonte, caso seja eleito. Mesmo dizendo desconhecer os valores que a cidade arrecada, ele propõe redução de impostos para auxiliar pequenos empresários a se reestruturarem após a crise causada pela pandemia de COVID-19. Também planeja a construção de um monotrilho e de um banco municipal de desenvolvimento econômico.

Veja abaixo um trecho da entrevista do Cabo Xavier, que será publicada na íntegra neste sábado

EM: Olhando para Belo Horizonte, a cidade que o senhor quer governar, qual foi o orçamento* previsto para 2020?
Cabo Xavier: Não sei te responder. Essas questões técnicas vão ficar a cargo da minha equipe técnica. Não sou técnico em administração. Sou teólogo e graduando em Direito. Mas acredito que com uma boa equipe, vamos estar a par de todas essas coisas para fazer uma boa gestão. Acho que é muito importante para o povo é saber o que a gente quer fazer. Porque o povo não está interessado em dados técnicos. Esses dados técnicos muitas vezes são para deixar o candidato numa situação difícil. 

EM: Como o senhor quer governar a cidade sem saber a receita da cidade?
Cabo Xavier: Com honestidade, boa vontade política, simplicidade, amor. Muitos candidatos que vieram com dados técnicos, programa de governo não realizaram nada, roubaram a cidade, colocou BH no rumo do atraso e não resolveu nada disso. Precisamos de gente com boa vontade política, honestidade, e eu tenho essas características.

EM: O senhor fala em metrô, monotrilho, convergência de modais. Qual é o custo estimado e de onde virão os recursos para concretização desses projetos?
Cabo Xavier: Olha, o prefeito não sabe tudo. Por isso ele tem assessorias técnicas. Nossos técnicos é que vão cuidar de dados de como serão os percentuais. O que nós temos é a vontade de fazer a coisa certa. Isso se faz com parcerias. Estamos saindo de um momento de pandemia para uma nova realidade, que serão as parcerias público-privadas. Se BH for bem cuidada e houver diálogo, é possível trazer parcerias para esses projetos.

EM: Mas qual é o custo estimado?
Cabo Xavier: Mais uma vez eu digo que essas questões técnicas é a secretaria técnica que fará o levantamento. Hoje não estou na prefeitura e não tenho como mensurar dados técnicos para apresentar.

EM: O senhor fala em isenção de impostos, que diminuirá a renda do Município e, também, em criação de um banco, que é algo que demanda recursos. De onde vão sair os recursos para a criação de um banco? E essa isenção de impostos não vai agravar ainda mais a situação financeira do Município?
Cabo Xavier: Não, porque os impostos no Brasil estão sempre acima da média. Há um gasto público excessivo e a gente vai ter condição de fazer esse enxugamento. Sobre o banco, vamos buscar parcerias nos governos Federal e Estadual e em mecanismos internacionais de ajuda humanitária. 

EM: A que o belo-horizontino pode se apegar para acreditar que a promessa do monotrilho não será apenas um novo sonho, como é a expansão do metrô?
Cabo Xavier: É só olhar quem está prometendo. Eu não sou mandatário. Estou na política tentando uma oportunidade e vendendo para as pessoas uma verdade. Muitos dos candidatos que estão prometendo isso estão no mandato há anos e nunca apresentaram essa proposta como parlamentar. Essa é a grande diferença do que eu quero ser.

*A proposta de lei orçamentária para apresentada pela PBH à Câmara Municipal para 2021 prevê que a receita supere R$ 14,3 bilhões (4% a mais do que o projetado para 2020). Cerca de R$ 4,4 bilhões são provenientes de tributos cobrados pelo Município, como IPTU e ISS. Aproximadamente R$6,6 bilhões vêm de repasses dos Governos Federal e Estadual. Dessa receita, 33,3% (R$ 4,7 bilhões) serão investidos na Saúde; 16,30% (R$ 2,3 milhões) em educação e 10,57% (R$ 1,5 bilhão) em previdência social.
 

Primeiro turno de votação nas eleições 2020 será em 15 novembro. Confira nosso guia
Primeiro turno de votação nas eleições 2020 será em 15 novembro. Confira nosso guia

Eleições 2020: como votar, datas e horários

O primeiro turno das eleições 2020 será em 15 de novembro e, caso seja necessário no seu município, o segundo turno será realizado em 29 de novembro de 2020. Nestas eleições, o horário de votação é das 7h às 17h. O horário entre 7h e 10h é preferencial para maiores de 60 anos.

Com as novas medidas diante da pandemia do coronavírus, preparamos um guia com tudo que você precisa saber para votar nas eleições 2020.

O que muda nas eleições 2020?

Muitas mudanças foram feitas pela Justiça Eleitoral para os candidatos a prefeito e vereador durante o período eleitoral de 2020. Além disso, os eleitores também terão de se adaptar às novas normas para os dias de votação, como a abertura antecipada das seções eleitorais e as regras de higiene que o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).  


Como justificar o voto nas eleições 2020?

Os eleitores poderão optar por justificar o voto de três formas: 
  • No dia das eleições: o eleitor que estiver fora de sua cidade pode justificar a ausência em qualquer local de votação, das 7h às 17h. O eleitor deverá ter o número do título, um documento oficial de identificação e o formulário de justificativa preenchido.

  • Depois das eleições: preenchendo o formulário de justificativa em qualquer cartório eleitoral ou posto de atendimento ao eleitor em até 60 dias após a votação.

  • A justificativa também poderá ser feita pelo celular no aplicativo e-Título.

Eleições 2020 em Belo Horizonte

Na capital mineira, 15 candidatos disputam as eleições para prefeito. Conheça quem são os candidatos e o perfil de cada na corrida rumo à Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). Já para vereador, Belo Horizonte conta com mais de 1,5 mil candidatos. Alguns apostaram em apelidos e codinomes bem inusitados para conseguir votos.



Para acompanhar a cobertura completa das eleições em BH, acesse nosso especial

Para saber mais sobre as Eleições 2020 em Minas Gerais, leia também a cobertura completa das eleições na Grande BH e nas regiões Centro-OesteLesteNorteSul de MinasTriângulo Mineiro e Zona da Mata.

 
 


receba nossa newsletter

Comece o dia com as notícias selecionadas pelo nosso editor

Cadastro realizado com sucesso!

*Para comentar, faça seu login ou assine

Publicidade